Nicarágua confirma 15 mortos e 199 feridos nos protestos dos últimos 2 dias

Manágua, 31 mai (EFE).- A ministra da Saúde da Nicarágua, Sonia Castro, confirmou nesta quinta-feira que 15 pessoas morreram e outras 199 ficaram feridas entre quarta-feira e a madrugada de hoje durante os protestos ocorridos em diferentes pontos do país contra o governo do presidente Daniel Ortega.

Em diferentes centros de saúde pública e privada "foram atendidas 199 pessoas que foram lesionadas e também temos os 15 mortos", afirmou a ministra em entrevista coletiva junto a outros funcionários públicos.

Esta é a segunda vez desde que explodiu a crise, em 18 de abril, que o governo de Ortega confirma um número de mortos durante os protestos, nos quais, segundo organismos humanitários, as vítimas mortais já rondam 100 pessoas.

A primeira vez aconteceu quando a vice-presidente do país, Rosario Murillo, fez um pronunciamento no dia 20 de abril falando de 10 mortos.

O subdiretor da Polícia Nacional, Francisco Díaz, leu nesta quinta-feira na entrevista coletiva um relatório que detalhou que, das 15 mortes registradas nas últimas horas, sete aconteceram na capital Manágua, três em Chinandega, quatro em Estelí e uma em Masaya.

Por sua vez, o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (Cenidh) divulgou um relatório preliminar no qual cifrou em pelo menos 11 o número de mortos e 79 o de feridos durante os incidentes de quarta-feira e hoje.

No último dia 16 de maio foi instalada uma mesa de diálogo nacional, cujas sessões estão suspensas desde a semana passada, com a participação do governo e de uma aliança da sociedade civil - que aglutina estudantes, empresários, setor agrário e acadêmico, entre outros -, que com a mediação da Igreja pretendem conseguir uma saída à crise.

Nesse sentido, a Conferência Episcopal da Nicarágua advertiu nesta quinta-feira que o diálogo não será retomado enquanto houver repressão.

A Nicarágua atravessa uma crise sociopolítica que deixou pelo menos 76 mortos desde 18 de abril, segundo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), 83 segundo a Anistia Internacional (AI) e 85 de acordo com a Comissão da Verdade, Justiça e Paz nicaraguense.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos