PUBLICIDADE
Topo

Damares diz que Brasil não intervirá na Venezuela, mas continuará dando ajuda

25/02/2019 10h17

Genebra, 25 fev (EFE).- A ministra da Mulher, da Família e Direitos Humanos, Damares Alves, disse nesta segunda-feira que o Brasil não intervirá contra o governo de Nicolás Maduro na Venezuela, mas continuará trabalhando com o "presidente interino" Juan Guaidó para enviar ajuda humanitária à população venezuelana.

Em seu discurso na abertura da 40ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, diante de líderes de 90 países e organizações da sociedade civil em Genebra, Damares expressou a preocupação do Brasil "pelas graves e persistentes violações dos direitos humanos cometidas pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás Maduro".

Em meio às fortes tensões por conta do fechamento das fronteiras da Venezuela com o Brasil e a Colômbia para impedir a entrada de ajuda humanitária, a ministra afirmou que o governo de Jair Bolsonaro continua trabalhando com Guaidó para "não para intervir (na Venezuela), mas para dar ajuda humanitária".

"O Brasil apela à comunidade internacional a somar-se ao esforço de libertação da Venezuela, reconhecendo o governo legítimo de Guaidó e exigindo o fim da violência das forças do regime contra sua própria população".

Diante dos temores que Bolsonaro gerou na comunidade internacional, Damares afirmou hoje o "compromisso inquebrável do Governo do Brasil com os mais altos padrões de direitos humanos e defesa da democracia".

A ministra também destacou os esforços da sua pasta para aumentar a proteção dos povos indígenas e afrodescendentes, das pessoas incapacitadas e das mulheres.

Além disso, Damares ressaltou a intenção do governo de aumentar "a defesa do direito à vida desde a concepção". EFE