Topo

Presidente da Bolívia compara Juan Guaidó a "vice-rei colonial"

DAVID MERCADO/REUTERS
O presidente da Bolívia, Evo Morales Imagem: DAVID MERCADO/REUTERS

2019-03-06T12:04:00

06/03/2019 12h04

O presidente da Bolívia, Evo Morales, comparou hoje Juan Guaidó a um "vice-rei colonial" por não ter emergido de uma votação na Venezuela e criticou a Europa pelo apoio de países do continente ao reconhecerem-no como presidente interino do país.

"Avaliamos que a Europa defende o multilateralismo, por isso não entendemos como alguns países desconhecem a soberania da Venezuela e reconhecem como presidente alguém não votado para isso e que mais parece um vice-rei colonial", escreveu Morales no Twitter.

O presidente boliviano manifestou que o reconhecimento dado por países da União Europeia ao chamado presidente interino da Venezuela "é um precedente perigoso" para o direito internacional e a democracia, já que essa posição "debilita o multilateralismo".

Morales também criticou a denominada ajuda humanitária que pretendiam enviar à Venezuela e que, segundo sua opinião, não fez mais do que "prejudicar uma instituição tão importante" de colaboração para os países.

O político boliviano demonstrou em várias ocasiões seu apoio ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e se disse a favor de a Venezuela resolver seus problemas mediante o diálogo interno e sem a intervenção de outros países.

Guaidó chegou à Venezuela nesta semana após visitar Colômbia, Brasil, Paraguai, Argentina e Equador, e manifestou a sua intenção de fazer viagens à Europa com o objetivo de obter mais apoios.

Na excursão sul-americana, Guaidó foi recebido com honras de chefe de Estado por governos que o reconhecem como autoridade legítima da Venezuela, como ocorre com a maioria dos países que integram a União Europeia.

Por sua vez, Maduro convocou para o próximo sábado manifestações anti-imperialistas para responder às mobilizações dos seus opositores, que nesse mesmo dia se concentrarão em diferentes pontos do país para exigir sua renúncia.

Juan Guaidó retorna à Venezuela e pede novas eleições

Band Notí­cias

Mais Internacional