PUBLICIDADE
Topo

Ex-presidente argentino é condenado a 3 anos e 9 meses de prisão por fraude

27/03/2019 17h27

Buenos Aires, 27 mar (EFE).- A Justiça da Argentina condenou nesta quarta-feira o ex-presidente Carlos Menem a três anos e nove meses de prisão por fraude na venda de um imóvel.

O ex-ministro da Economia, Domingo Cavallo, também foi condenado a três anos e seis meses de prisão por participação em crime de peculato e inabilitado para exercer cargo público pelo resto da vida

Por ser senador, Menem tem imunidade parlamentar e só será preso caso os colegas de Senado votem para autorizar sua prisão.

Os juízes da Suprema Corte consideraram que Menem e Cavallo cometeram fraude ao vender na década de 1990 um imóvel que pertencia ao Estado no bairro de Palermo, um dos mais badalados de Buenos Aires, à Sociedade Rural Argentina (SRA) por US$ 30 milhões.

No momento da venda, o valor de mercado do imóvel era de US$ 131,8 milhões porque a Argentina adotava na época uma política de paridade cambial com a moeda americana.

Por esse motivo, a Suprema Corte decidiu que o valor acertado para a venda constituiu um crime de peculato, ou seja, desvio de recursos públicos.

Outros dez acusados foram julgados pela Suprema Corte da Argentina hoje, entre eles dois ex-presidentes da SRA e integrantes da Comissão de Venda de Imóveis Estaduais do Ministério da Economia.

Matías Ordóñez e Gastón Figueroa Alcorta, os dois membros da comissão governamental, também foram condenados a três anos de prisão por serem considerados cúmplices do crime de peculato.

O caso ocorreu há 27 anos. Em 20 de dezembro de 1991, Menem assinou um decreto no qual autorizou a venda direta do imóvel em Palermo para a SRA, um dos principais sindicatos patronais do país.

A primeira denúncia sobre a venda irregular foi registrada em 199, mas o ex-presidente e o ex-ministro de Economia só foram processados em 2014. EFE