PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Cuba começará estudo em massa com vacinas desenvolvidas no país

08/05/2021 04h29

Havana, 7 mai (EFE).- Cuba realizará a partir da próxima semana em Havana um estudo em ampla escala com as vacinas Abdala e Soberana 02, que o país está produzindo contra a covid-19.

Mais de 1,7 milhão de habitantes da capital, Havana, receberão as doses, de acordo com o ministro da Saúde Pública (Minsap), José Ángel Portal. Em pronunciamento na televisão estatal, ele disse que o estudo será realizado após 415.161 doses de ambas as vacinas terem sido aplicadas em outras etapas.

A campanha começará em grupos e territórios de risco de sete municípios da região metropolitana da capital, com 778.398 pessoas recebendo doses até junho. Na primeira etapa, pessoas com mais de 60 anos de idade receberão uma das vacinas.

O esquema de estudo será concluído nos oito municípios restantes de Havana entre a segunda quinzena de junho e agosto, envolvendo um grupo populacional de 928.627 pessoas.

O ministro da Saúde Pública afirmou que todos os processos foram aprovados pelo Centro de Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos (CECMED), levando em conta com esta intervenção uma "relação favorável de benefícios e riscos" com a complexa situação epidemiológica atual na ilha, onde há uma alta transmissão do novo coronavírus e um aumento de casos graves e mortes por covid-19.

Ele disse também que a intervenção com as vacinas em teste será temporária, até que o CEDMEC - a autoridade reguladora - emita uma autorização para o uso emergencial.

Havana, que tem 2,2 milhões de habitantes - é atualmente o epicentro da pandemia na ilha e tem toque de recolher noturno desde fevereiro. Escolas, restaurantes, bares e praias da capital foram fechados, entre outras medidas para tentar controlar a propagação do vírus.

A Abdala, uma das cinco vacinas desenvolvidas em Cuba contra a covid-19, completou a terceira e última etapa de seus ensaios clínicos, que começaram em março nas províncias de Granma, Santiago e Guantánamo.

Sua formulação é composta do domínio de ligação dos receptores, que é responsável pela infecção de células humanas no indivíduo.

O outro projeto avançado - já na fase final - é o da Soberana 02, que deverá concluir em breve estudos para avaliar sua eficácia. Ela é uma vacina conjugada, que implica a fusão de um antígeno com uma molécula portadora para reforçar sua estabilidade e eficácia.