PUBLICIDADE
Topo

Cuba volta a registrar mais de 1 mil casos de covid-19 em 24 horas

10/06/2021 19h16

Havana, 10 jun (EFE).- Cuba registrou, nesta quinta-feira, 1.158 novos casos de covid-19, chegando a 153.578 infecções desde o início da pandemia, informou o Ministério da Saúde Pública (Minsap) em seu relatório diário.

Hoje, também foram confirmadas 12 mortes em decorrência da doença, chegando a 1.057 vítimas.

Dos 1.158 positivos confirmados hoje, 43 deles são casos "importados" que foram diagnosticados após 23.608 testes realizados.

Há 26.988 pessoas internadas em hospitais e centros de isolamento do país: 6.047 casos ativos - 55 em estado crítico e 833 graves -, 4.842 com sintomas suspeitos e o restante sob vigilância epidemiológica.

Havana foi mais uma vez a região que reuniu o maior número de casos em um dia, com 428.

Na capital cubana estão em vigor medidas para tentar conter o contágio, como toque de recolher noturno e limitação do horário de transporte público, mas a escassez de alimentos e produtos básicos faz com que as pessoas tenham que sair para as ruas e enfrentar longas filas.

As autoridades sanitárias estão implementando em diversas áreas de risco, inclusive em Havana, um estudo de intervenção sanitária com as duas vacinas candidatas mais avançadas das cinco que Cuba está desenvolvendo contra o coronavírus: Abdala e Soberana 02.

Essa intervenção será estendida a toda a capital a partir deste mês com a Abdala, projetada com esquema de administração mais curto (três doses em 28 dias) do que a Soberana 02 (três doses em 56 dias).

Mais de 1 milhão de pessoas, de uma população de 11 milhões, receberam pelo menos uma dose dessas fórmulas experimentais como parte de testes clínicos e estudos de intervenção, de acordo com dados oficiais.

Os dois medicamentos estão em fase final de testes clínicos - aquele que determina a eficácia da potencial vacina - mas não possuem registro farmacológico, nem autorização de uso emergencial do órgão regulador do país.

As autoridades esperam obtê-lo neste mês de junho, quando for concluída a avaliação de sua eficácia e divulgados os resultados dos ensaios clínicos, o que permitiria o início da campanha de vacinação em massa.

Eles também estão confiantes de que os resultados obtidos na segunda fase de testes ultrapassam a eficiência de 50%.