PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

OEA adverte que emigração venezuelana pode superar a síria em 2022

29/07/2021 18h54

Washington, 29 jul (EFE).- A Organização dos Estados Americanos (OEA) advertiu nesta quinta-feira que a emigração venezuelana pode chegar a sete milhões de pessoas até o fim de 2021 ou o início de 2022, superando o êxodo da Síria, considerado o maior do mundo, com 6,7 milhões de refugiados que saíram do país.

Segundo um relatório divulgado pelo Grupo de Trabalho da OEA para a Crise de Migrantes e Refugiados Venezuelanos, "se não houver uma solução política, econômica e social no curto prazo, a estimativa é que poderá haver mais refugiados venezuelanos do que sírios.

O documento detalha que, apesar das restrições de mobilidade impostas durante a pandemia de covid-19, "o número de migrantes e refugiados venezuelanos continua crescendo".

Antes da pandemia, cinco mil venezuelanos fugiam diariamente do país, mas o impacto da covid-19 motivou mais de 150 mil a retornarem aos locais de origem.

Entretanto, o estudo adverte que, de setembro de 2020 até o momento, cerca de 700 a 900 venezuelanos "fogem diariamente por vias irregulares: rotas marítimas ou trilhas perigosas".

"No final de 2021 ou no início de 2022, o número de refugiados venezuelanos poderá atingir os sete milhões", observa o documento.

De acordo com a investigação, os venezuelanos fogem diariamente por cinco razões principais: emergência humanitária complexa, violações dos direitos humanos, violência generalizada, colapso dos serviços públicos e colapso econômico.

Por países, a Colômbia é o principal destino desses migrantes, com mais de 1,7 milhão de pessoas no seu território, seguida por Peru (1,05 milhão), Estados Unidos (465 mil), Chile (457 mil) e Equador (431 mil).

O coordenador desse grupo de trabalho, David Smolansky, também venezuelano, afirmou em declaração que esta "é a maior crise de exilados da história da região, e assegurou que existem atualmente mais de 5,6 milhões de migrantes e refugiados venezuelanos.

Este número equivale a mais de 18% da população venezuelana, diz o relatório. Os sete milhões de migrantes e refugiados podem ser alcançados "se as fronteiras forem reabertas e a crise no país sul-americano se aprofundar", diz o comunicado.