Colômbia vai rescindir contrato de dragagem do rio Magdalena com Odebrecht

BOGOTÁ (Reuters) - O governo da Colômbia iniciou a rescisão do contrato de 861 milhões de dólares para restaurar a navegabilidade do rio Magdalena que era liderado pela brasileira Odebrecht, disse o governo nesta quarta-feira.

A decisão ocorreu após a Odebrecht, que enfrenta acusações de corrupção na Colômbia, não ter conseguido financiamento para o projeto nem passar a concessão para outra companhia.

"Vamos começar o processo de rescisão e assumir diretamente a dragagem do rio por meio de contratos de obras públicas", disse Luis Fernando Andrade, diretor da Cormagdalena, a agência do governo responsável pela tributação do rio.

A PowerChina demonstrou interesse em assumir a participação de 87 por cento da Odebrecht no consórcio Navelena, que operava o projeto de dragagem. A companhia está conduzindo a análise técnica, jurídica e financeira do projeto, disse o governo.

"Se o contrato não for entregue efetivamente com a PowerChina Limited Colombia, a Cormagdalena vai garantir a navegação normal no rio Magdalena por meio da assinatura de contratos de obras públicas", disse Andrade.

A Odebrecht ganhou a concessão em 2014 e a construção estava inicialmente planejada para começar em junho de 2016.

(Por Helen Murphy)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos