PUBLICIDADE
Topo

Reino Unido tem opção de usar lei marcial em caso Brexit sem acordo, mas não há planos para isso

27/01/2019 16h57

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido tem a opção de utilizar a lei marcial para conter casos de desordem civil que possam seguir uma saída da União Europeia sem um acordo, mas este não é o foco do governo, disse o ministro da Saúde do país, Matt Hancock, neste domingo. 

O jornal The Sunday Times citou autoridades não identificadas que diziam que o governo examinava os poderes à sua disposição caso um Brexit sem acordo resultasse em desobediência civil, incluindo lei marcial, toque de recolher, e o uso do Exército para conter distúrbios. 

Perguntado pelo jornalista da BBC Andrew Marr se o governo considerava a possibilidade de lei marcial, Hancock disse que "não especificamente, não". 

Hancock então acrescentou: "Isso continua no papel, mas não é o foco da nossa atenção."

O Reino Unido deve deixar a União Europeia no dia 29 de março, mas os parlamentares do país ainda estão longe de concordar em um acordo de divórcio, deixando aberta a possibilidade de uma saída desordenada do bloco. 

Autoridades têm discutido as implicações da implementação do Ato de Contingências Civis de 2004, que permitiria que o governo tomasse quaisquer provisões para proteger vida humana, e suprimentos de saúde e segurança, informou o Sunday Times. 

"O tema que sobrepõe tudo no planejamento do Brexit sem acordo é a desobediência civil e o medo de que a saída possa levar à morte no caso de escassez de medicamentos e alimentos", disse uma fonte ao jornal. 

Hancock disse que a indústria farmacêutica está fazendo de tudo para prevenir a falta de medicamentos que resultaria em atrasos nas fronteiras no caso de um Brexit sem o acordo. 

(Reportagem de Paul Sandle)