PUBLICIDADE
Topo

Submarino britânico da 2ª Guerra é encontrado afundado na costa de Malta

Submarino que desapareceu na 2ª Guerra Mundial e tinha paradeiro desconhecido tem os destroços descobertos - University of Malta/Project Spur/RPM Nautical/Reuters
Submarino que desapareceu na 2ª Guerra Mundial e tinha paradeiro desconhecido tem os destroços descobertos Imagem: University of Malta/Project Spur/RPM Nautical/Reuters

Crispian Balmer

Em Valletta (Malta)

31/10/2019 15h37Atualizada em 01/11/2019 11h36

Os destroços de um submarino britânico, que desapareceu no auge da Segunda Guerra Mundial, foram descobertos no fundo do mar, perto de Malta, disseram nesta quinta-feira arqueólogos marinhos.

O HMS Urge estava baseado com outros submarinos em Malta e havia realizado várias missões quando a marinha britânica ordenou que este submarino e o resto da flotilha se realocassem no Egito, por causa de um cerco alemão à ilha.

O Urge zarpou em 27 de abril de 1942, carregando uma tripulação de 32 homens, 11 outros militares e um jornalista. No entanto, não conseguiu chegar a Alexandria na data prevista, 6 de maio, e seu destino sempre permaneceu um mistério - até agora.

Uma equipe da Universidade de Malta, que passou duas décadas examinando os mares locais, disse que, a pedido do neto do comandante do Urge, eles vasculharam uma área que já havia sido minada pelas forças nazistas.

Uma imagem do sonar revelou uma forma submarina a uma profundidade de 130 metros a cerca de 3 km da costa, e uma busca subsequente por uma embarcação de mergulho não tripulada revelou o submarino da classe U, com um grande pedaço faltando.

"Os danos à proa mostram uma explosão muito violenta (...), indicando que o navio teria afundado muito rapidamente, não dando chance a ninguém de sobreviver a essa tragédia", disse o professor Timmy Gambin, que liderou a missão da universidade.

"Além dos danos na proa, os destroços estão em condições absolutamente fantásticas. Ele está sentado no fundo do mar, muito orgulhoso, na direção que foi ordenado a seguir para Alexandria ", disse ele à emissora maltesa PBS.

A universidade disse que o Ministério da Defesa britânico revisou seu material e confirmou que foi o naufrágio de Urge.

Gambin disse à Reuters que o submarino deve ter sido atingido por uma mina enquanto ainda navegava na superfície, pouco depois de deixar Malta sob a proteção da escuridão.

Uma cerimônia está planejada para abril para declarar o local como um túmulo oficial de guerra, à qual Gambin disse esperar que a filha do capitão do Urge, tenente-comandante E.P. Tomkinson, possa estar presente.

Em 2015, um mergulhador belga alegou ter descoberto o submarino na costa da Líbia, mas ele nunca foi capaz de fornecer evidências decisivas.

O HMS Urge fazia parte da 10ª flotilha da Marinha Real, conhecida como 10ª de combate, que provocou numerosos ataques bem-sucedidos contra navios inimigos no Mediterrâneo.

Poucos dias antes de desaparecer, o Urge afundou o cruzador italiano Giovanni Delle Bande Nere, perto da Sicília. Em uma estranha coincidência, os militares italianos disseram em março que o navio de guerra perdido também foi descoberto este ano, a uma profundidade de mais de 1.400 metros.

Entre os que estavam a bordo do Urge, quando caiu, estava o repórter de guerra Bernard Gray - o único jornalista britânico que morreu em um submarino durante a Segunda Guerra Mundial.

Notícias