PUBLICIDADE
Topo

Fraude eleitoral na Bolívia a favor de Morales foi "imensa", diz relatório da OEA

05/12/2019 08h28

SANTIAGO (Reuters) - A Organização dos Estados Americanos (OEA) publicou na quarta-feira detalhes de medidas apontadas como "deliberadas" e "mal-intencionadas" para fraudar a eleição boliviana de outubro a favor do então presidente Evo Morales, que renunciou e deixou a nação andina em meio a uma crise política.

Um relatório de quase 100 páginas da OEA descreveu várias violações, incluindo o uso de um servidor de computador secreto concebido para fazer a votação pender para Morales.

Líder de esquerda carismático e o primeiro presidente indígena da Bolívia, Morales tentou a reeleição apesar de um referendo de 2016 que rejeitou uma proposta para lhe permitir concorrer a um quarto mandato consecutivo.

Ele pôde se candidatar depois que um tribunal repleto de figuras leais lhe deu sinal verde para concorrer indefinidamente.

"Dados os imensos indícios que encontramos, podemos confirmar uma série de operações mal-intencionadas que visaram alterar a vontade dos eleitores", disse o relatório da OEA.

Entres as descobertas da OEA estão "ações deliberadas para manipular o resultado da eleição" que tornam "impossível validar" os resultados oficiais, segundo o relatório.

Morales fugiu para o México pouco após a divulgação do relatório inicial da OEA, no início de novembro. Ele descreveu as alegações de fraude eleitoral como um golpe político, dizendo que a OEA está "a serviço do império norte-americano".

No final de novembro, o Congresso boliviano sancionou uma legislação para anular as eleições contestadas e abrir caminho para uma nova votação sem Morales, um grande avanço na crise política.

Ex-parlamentar conservadora, a presidente interina, Jeanine Áñez, também prometeu novas eleições.

(Por Dave Sherwood)

Notícias