CEOs de TikTok, Meta e X vão testemunhar no Senado dos EUA em janeiro

WASHINGTON (Reuters) - Os principais executivos das empresas de mídia social meta , X (ex-Twitter), TikTok, Snap e Discord testemunharão sobre exploração sexual infantil online em uma audiência no Senado dos EUA em 31 de janeiro, disse o Comitê Judiciário da Casa nesta quarta-feira.

O senador Dick Durbin, presidente democrata do painel, e o republicano Lindsey Graham disseram que Discord e X inicialmente relutaram em participar e se recusaram a aceitar uma intimação.

"Agora que todas as cinco empresas estão cooperando, esperamos ouvir seus CEOs", afirmaram em um comunicado.

Será a primeira aparição do CEO do TikTok, Shou Zi Chew, perante parlamentares dos EUA desde março, quando a empresa chinesa enfrentou perguntas duras, incluindo algumas sugerindo que o aplicativo prejudicava a saúde mental das crianças.

A legislação proposta no Congresso, que daria ao governo Biden novos poderes para bloquear o uso de tecnologia de comunicação estrangeira por norte-americanos, como o TikTok, que é usado por mais de 150 milhões de cidadãos dos EUA, está paralisada.

Durbin e Graham afirmaram que a audiência permitirá que os membros do comitê pressionem os líderes de algumas das maiores empresas de mídia social sobre suas falhas na proteção de crianças online.

Mark Zuckerberg, presidente-executivo da Meta, dona do Facebook e do Instagram, a presidente-executiva do X, Linda Yaccarino, e os CEOs da Snap e Discord, Evan Spiegel e Jason Citron, respectivamente, testemunharão.

"O fracasso das Big Tech em se autorregular em detrimento de nossos filhos não pode ficar sem resposta", disseram Durbin e Graham.

(Reportagem de David Shepardson e Susan Heavey)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora