França abre portas para negociações da UE sobre sanções a colonos israelenses

Por John Irish

PARIS (Reuters) - A França disse nesta quarta-feira que a União Europeia deve considerar a opção de sanções contra colonos israelenses que atacaram palestinos na Cisjordânia e que as negociações na UE para sanções aos comandantes do Hamas estão progredindo.

Números das Nações Unidas (ONU) mostram que os ataques diários de colonos mais do que duplicaram desde a investida surpresa do Hamas a Israel, em 7 de outubro, e a retaliação que se seguiu ao enclave palestino de Gaza. 

"Acreditamos que a comunidade internacional tem um papel a desempenhar para por fim nesses atos de violência que são extremamente desestabilizadores para a região, mas também prejudicam as perspectivas de uma solução de dois Estados", disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Anne-Claire Legendre, em um briefing semanal.

Ela disse que nenhuma opção foi excluída, incluindo sanções da União Europeia a indivíduos violentos.

Israel capturou a Cisjordânia na guerra de 1967 no Oriente Médio e mantém a região sob ocupação militar desde então, enquanto ocupações de colonos israelenses foram consistentemente se expandindo. Os palestinos encaram a Cisjordânia como parte de um futuro Estado independente que também inclui  Gaza e Jerusalém Oriental.

Uma fonte diplomática francesa disse que Paris é favorável às sanções da UE, mas ainda não foi iniciado um debate no bloco sobre a questão.

Os Estados Unidos disseram que estão preparados para proibir vistos contra “extremistas” que atacam civis na Cisjordânia.

Legendre também disse que as negociações estão avançando em Bruxelas para impor sanções -- congelamento de bens e proibições de viagens -- aos comandantes do Hamas.

Continua após a publicidade

Também estão em curso trabalhos com aliados europeus e outros para reduzir o financiamento ao Hamas, nomeadamente por meio da plataforma No Money for Terror, e para combater sua propaganda nas redes sociais.

No Money for Terror é uma coligação ad hoc criada em 2018 com o objetivo de combater o financiamento do terrorismo.

Em 13 de novembro, a França impôs sanções em nível nacional ao comandante militar do Hamas, Mohammed Deif, e ao seu vice, Marwan Issa.

Dois diplomatas disseram que o objetivo era adicioná-los à lista de terroristas sancionados da UE até meados de dezembro. Outros indivíduos também estavam sendo analisados, mas os dossiês jurídicos levarão mais tempo para serem preparados, disseram.

(Reportagem de John Irish)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes