Premiê espanhol diz duvidar que Israel respeite lei humanitária internacional

MADRI (Reuters) - O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, disse nesta quinta-feira que, dado o número de vítimas entre os civis em Gaza, ele duvida que Israel esteja respeitando a lei humanitária internacional, ao repetir que a ação militar no enclave não é aceitável.

Na semana passada, comentários semelhantes feitos por Sánchez e pelo premiê belga Alexander de Croo na travessia de Rafah, controlada pelo Egito, irritaram Israel, cujo ministro das Relações Exteriores, Eli Cohen, disse que as declarações repetiram "falsas alegações" e "deram um impulso ao terrorismo". O chanceler disse então que convocou os embaixadores dos dois países.

"As imagens que estamos vendo e o número crescente de crianças morrendo, tenho sérias dúvidas de que (Israel) esteja cumprindo a lei humanitária internacional", disse Sánchez em uma entrevista à emissora estatal espanhola TVE.

"O que estamos vendo em Gaza não é aceitável", acrescentou.

Apesar da disputa diplomática, Sánchez, que está pressionando por uma conferência de paz, disse que a relação entre Israel e Espanha é "correta" e que "países amigos também precisam dizer coisas uns aos outros".

Ele insistiu que os países europeus discutam o reconhecimento de um Estado palestino.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora