Boeing é eliminada de competição por novo "Avião do Juízo Final" da Força Aérea dos EUA

Por Valerie Insinna e Mike Stone

WASHINGTON (Reuters) - A Força Aérea dos Estados Unidos eliminou a Boeing de sua competição para desenvolver um sucessor do E-4B Nightwatch, confirmou a empresa nesta sexta-feira, alterando a disputa para a construção da próxima versão da aeronave conhecida como "Avião do Juízo Final" devido à sua capacidade de sobreviver a uma guerra nuclear.

A decisão deixa a empresa privada de defesa Sierra Nevada como a única competindo publicamente pelo contrato para uma substituição da frota em uso desde a década de 1970.

A Força Aérea se recusou a comentar se outras empresas apresentaram propostas.

"Não podemos discutir uma seleção de fonte ativa e informações detalhadas do programa são confidenciais", disse um porta-voz.

Duas fontes disseram que a Boeing -- atual fabricante do E-4B -- e a Força Aérea não conseguiram chegar a um acordo sobre direitos de dados e termos contratuais, com a fabricante norte-americana se recusando a assinar qualquer acordo de preço fixo que a obrigue a pagar custos acima de um limite acordado.

"Estamos abordando todas as novas oportunidades de contrato com disciplina adicional para garantir que possamos cumprir nossos compromissos e apoiar a saúde a longo prazo de nosso negócio", disse a Boeing em comunicado.

Embora seja geralmente usado para transportar o secretário de defesa dos EUA, o E-4B é projetado como um posto de comando móvel capaz de resistir a explosões nucleares e efeitos eletromagnéticos, permitindo que líderes dos EUA emitam ordens às forças armadas em caso de emergência nacional.

A expectativa é que o E-4B alcance o final de sua vida útil no início de 2030.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Valerie Insinna e Mike Stone em Washington)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes