Forças Armadas da China dizem que navio dos EUA entrou "ilegalmente" em águas territoriais

PEQUIM (Reuters) - As Forças Armadas da China disseram nesta segunda-feira que um navio da Marinha dos Estados Unidos entrou ilegalmente em águas adjacentes ao Second Thomas Shoal, um atol disputado no Mar do Sul da China que recentemente foi palco de vários confrontos marítimos.

"Os EUA prejudicaram seriamente a paz e a estabilidade regionais", disse um porta-voz do Teatro de Operações do Sul da China em um comunicado, acrescentando que os EUA perturbaram o Mar do Sul da China e violaram a soberania da China.

A China está em disputa com vários de seus vizinhos por causa de suas amplas reivindicações de águas territoriais no Mar do Sul da China.

A Marinha dos EUA disse que o USS Gabrielle Giffords, um navio de combate litorâneo da classe Independence, estava realizando operações de rotina em águas internacionais no Mar do Sul da China, de acordo com a legislação internacional.

"Todos os dias, a 7ª Frota dos EUA opera no Mar do Sul da China, como tem feito há décadas", afirmou a Marinha dos EUA em um comunicado. "Essas operações demonstram que estamos comprometidos com a manutenção de uma região livre e aberta do Indo-Pacífico."

Nos últimos meses, a China teve vários confrontos com embarcações filipinas e protestou contra navios dos EUA que patrulham áreas disputadas.

De acordo com os militares chineses, o navio dos EUA entrou em águas adjacentes ao que a China chama de Renai Reef, também conhecido como Second Thomas Shoal, uma parte das Ilhas Spratly. O Second Thomas Shoal fica na zona econômica exclusiva das Filipinas, de acordo com uma decisão do tribunal das Nações Unidas em 2016.

O porta-voz militar chinês disse que o navio dos EUA foi monitorado e seguido, e que as "tropas da China no teatro de operações estão em alerta máximo o tempo todo para defender resolutamente a soberania nacional".

(Reportagem de Bernard Orr)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes