Negociações entre partes em conflito no Sudão encerram novamente sem acordo

Por Khalid Abdelaziz e Nafisa Eltahir

DUBAI (Reuters) - As negociações intermediadas por Arábia Saudita e Estados Unidos com o objetivo de interromper os combates entre as partes beligerantes no Sudão fracassaram novamente, com o Exército e as paramilitares Forças de Apoio Rápido (RSF) prosseguindo com campanhas militares que têm causado uma grave crise humanitária.

A falta de progresso nas conversas em Jeddah acabou com as esperanças de resolução de um conflito que tem deslocado mais de 6,5 milhões de pessoas dentro e fora do Sudão, dizimado a economia e provocado massacres étnicos em Darfur.

O Exército sudanês tem intensificado sua retórica e os moradores dizem que também aumentou os ataques aéreos na capital Cartum, enquanto a RSF garantiu avanços nas regiões de Darfur e Kordofan.

"Eles estão disparando artilharia agressivamente, e muitas vezes ela cai em casas de civis", disse Ahmed Abdallah, de 51 anos, em Omdurman, uma cidade vizinha a Cartum onde os rivais estão lutando por bases do Exército.

A RSF e o Exército trabalharam juntos para destituir o ex-governante Omar al-Bashir em 2019 e realizar um golpe em 2021, mas o conflito eclodiu entre eles em abril sobre um plano para uma nova transição.

As discussões em Jeddah foram suspensas pela primeira vez em junho e retomadas em outubro, sendo encerradas novamente nesta semana sem nenhum novo acordo, disseram fontes sudanesas presentes nas negociações, depois que os compromissos de acalmar a retórica, capturar os aliados de Bashir e facilitar a assistência humanitária não foram cumpridos.

Os representantes dos dois lados, que não estão se reunindo presencialmente, continuaram em desacordo sobre a ocupação da maior parte de Cartum pela RSF, disseram as fontes.

O Exército exigiu que a RSF se retirasse para bases específicas e rejeitou uma contraproposta dos paramilitares para que deixasse as casas de civis e estabelecesse postos de controle ao redor da cidade, disseram eles.

Continua após a publicidade

Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse que os mediadores continuam prontos para negociações adicionais, mas "as partes precisam demonstrar que podem implementar seus compromissos".

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora