Procurador-geral dos EUA defende processos contra invasores do Capitólio

Por Andrew Goudsward

WASHINGTON (Reuters) - O procurador-geral dos Estados Unidos, Merrick Garland, prometeu nesta quarta-feira continuar processando pessoas acusadas de invadir o Capitólio dos EUA, um dia depois de o presidente republicano da Câmara, Mike Johnson, sugerir que queria proteger as pessoas que participaram do ataque em 6 de janeiro de 2021.

Garland não criticou diretamente Johnson, mas observou que o Departamento de Justiça dos EUA “só processa as pessoas que acreditamos terem cometido crimes”.

“Estou extremamente orgulhoso dos homens e mulheres do departamento que trabalham todos os dias para responsabilizar aqueles que cometeram crimes no 6 de janeiro”, disse Garland em entrevista coletiva sobre um assunto não relacionado. "Eles continuarão a fazê-lo."

Johnson disse na terça-feira que os republicanos na Câmara dos Deputados, que estão divulgando imagens de vídeo do Capitólio no dia da invasão, estão desfocando os rostos “das pessoas que participaram dos eventos daquele dia”.

“Não queremos que eles sofram retaliação e sejam acusados pelo Departamento de Justiça e que tenham outras preocupações e problemas”, disse Johnson a jornalistas. 

Um porta-voz de Johnson disse na quarta-feira que os rostos estão sendo desfocados “para evitar todas as formas de retaliação contra cidadãos por parte de quaisquer atores não-governamentais”.

A exigência de divulgação das imagens veio de parlamentares de extrema direita, alguns dos quais minimizaram a violência e espalharam falsas teorias da conspiração, de que a invasão dos apoiadores do ex-presidente Donald Trump foi orquestrada por agentes federais ou informantes. 

(Reportagem de Andrew Goudsward; reportagem adicional de Katharine Jackson)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes