COP28 entra em conflito sobre eliminação gradual de combustíveis fósseis com oposição da Opep

Por Kate Abnett e Valerie Volcovici e Yousef Saba

DUBAI (Reuters) - Países entraram em conflito neste sábado em relação a um acordo proposto para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis na cúpula da COP28 em Dubai, prejudicando as tentativas de se chegar a um compromisso inédito de acabar com o uso de petróleo e gás em 30 anos de debates sobre o aquecimento global.

Observadores das negociações disseram que a Arábia Saudita e a Rússia estavam entre os vários países que insistiam para que a conferência em Dubai se concentrasse apenas na redução da poluição climática --e não em ter como alvo os combustíveis fósseis que a causam.

Por outro lado, pelo menos 80 países, incluindo os Estados Unidos, a União Europeia e muitas nações pobres e vulneráveis ao clima, estão exigindo que o acordo da COP28 determine claramente o fim do uso de combustíveis fósseis.

"Precisamos de abordagens realistas para lidar com as emissões", disse o Secretário Geral da Opep, Haitham Al Ghais, em comentários lidos por um funcionário. "Uma abordagem que permita o crescimento econômico, ajude a erradicar a pobreza e aumente a resiliência ao mesmo tempo."

No início desta semana, o grupo de produtores de petróleo enviou uma carta pedindo aos seus membros e aliados que rejeitassem qualquer menção aos combustíveis fósseis no acordo final da cúpula, alertando que "a pressão indevida e desproporcional contra os combustíveis fósseis pode chegar a um ponto crítico".

Foi a primeira vez que o Secretariado da Opep interveio nas negociações climáticas da ONU com uma carta desse tipo, de acordo com Alden Meyer, do think-tank E3G.

"Isso indica uma sensação de pânico", disse ele.

A Arábia Saudita é o maior produtor da Opep e líder de fato da organização, enquanto a Rússia é membro do chamado grupo Opep+.

Continua após a publicidade

Ao insistir em focar nas emissões em vez de nos combustíveis fósseis, os dois países pareciam estar se apoiando na promessa de uma tecnologia cara de captura de carbono, que, segundo o painel de ciência climática da ONU, não pode substituir a redução do uso de combustíveis fósseis em todo o mundo.

Outros países, incluindo a Índia e a China, não endossaram explicitamente a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis na COP28, mas apoiaram um apelo popular para o aumento da energia renovável.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes