Combates se intensificam em Gaza; ONU alerta sobre possível êxodo para o Egito

Por Bassam Masoud e Nidal al-Mughrabi

GAZA/CAIRO (Reuters) - Os combates entre Israel e o Hamas se intensificaram em Gaza nesta segunda-feira, alimentando os temores sinalizados pelas Nações Unidas no fim de semana de um colapso na ordem pública e de um êxodo em massa de palestinos para o Egito.

A estreita faixa costeira está sob um bloqueio israelense total desde o início do conflito, há mais de dois meses, e a fronteira com o Egito é a única saída.

A maioria dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza foi expulsa de suas casas e os moradores dizem que é impossível encontrar refúgio no enclave densamente povoado, com cerca de 18.000 pessoas já mortas e a intensificação do conflito.

Após o rompimento de um cessar-fogo de uma semana, Israel lançou uma ofensiva terrestre no sul na semana passada e, desde então, tem avançado do leste para o coração da principal cidade Khan Younis, com aviões de guerra atacando uma área a oeste.

Nesta segunda-feira, militantes e alguns moradores disseram que os combatentes estavam impedindo que os tanques israelenses avançassem mais para o oeste da cidade, e também houve confrontos ferozes em partes do norte de Gaza, onde Israel havia dito que suas tarefas estavam praticamente concluídas.

Israelenses fugiram para abrigos após novos avisos de disparos de foguetes de Gaza, inclusive em Tel Aviv. O braço armado do Hamas disse que estava bombardeando a cidade em resposta aos "massacres sionistas contra civis".

Em Jabalia, no norte de Gaza, os palestinos correram para escapar das bombas de fumaça disparadas contra tendas e outras casas.

O porta-voz do Exército israelense Avichay Adraee fez um novo apelo no X na segunda-feira para que os residentes de Gaza deixassem a Cidade de Gaza e outras áreas do norte, bem como Khan Younis, no sul.

Continua após a publicidade

"Moradores da Faixa de Gaza, as FDI (forças de Israel) operam com força contra o Hamas e organizações terroristas na Faixa de Gaza, especialmente na área de Khan Yunis e no norte da Faixa", disse, pedindo aos civis que saiam para sua própria segurança.

Autoridades da ONU afirmam que 1,9 milhão de pessoas - 85% da população de Gaza - estão deslocadas e descrevem as condições nas áreas do sul, onde se concentram, como infernais.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, que tem pressionado sem sucesso por um cessar-fogo em Gaza, disse no domingo que o enclave está em colapso.

"Prevejo que a ordem pública se rompa completamente em breve e que uma situação ainda pior se desenrole, incluindo doenças epidêmicas e maior pressão para o deslocamento em massa para o Egito", declarou ele em uma conferência internacional no Catar.

Philippe Lazzarini, comissário geral da UNRWA, órgão da ONU responsável pelo bem-estar dos refugiados palestinos, disse que os habitantes de Gaza expulsos de suas casas estavam sendo empurrados cada vez mais para perto da fronteira.

"Os acontecimentos que estamos testemunhando apontam para tentativas de levar os palestinos para o Egito, independentemente de eles permanecerem lá ou serem reassentados em outro lugar", escreveu Lazzarini no Los Angeles Times.

Continua após a publicidade

A fronteira com o Egito é bastante fortificada, mas os militantes do Hamas abriram buracos no muro em 2008 para romper um bloqueio rígido. Os habitantes de Gaza atravessavam a fronteira para comprar alimentos e outros produtos, mas voltavam rapidamente, sem que ninguém ficasse permanentemente desabrigado.

O Egito avisou há muito tempo que não permitiria que os habitantes de Gaza entrassem em seu território dessa vez, temendo que eles não pudessem retornar.

A Jordânia, que absorveu a maior parte dos palestinos após a criação de Israel em 1948, acusou Israel no domingo de tentar "tirar Gaza de seu povo".

O porta-voz do governo israelense Eylon Levy chamou a acusação de "ultrajante e falsa", dizendo que seu país estava se defendendo "dos monstros que perpetraram o massacre de 7 de outubro" e levando-os à justiça.

Em 7 de outubro, combatentes do Hamas mataram 1.200 pessoas e fizeram 240 reféns, de acordo com os registros israelenses. Israel prometeu aniquilar o grupo militante islâmico que governa Gaza desde 2007 e que jurou destruir Israel.

Cerca de 18.000 pessoas foram mortas pelos ataques israelenses e 49.500 ficaram feridas, segundo autoridades de saúde de Gaza. Cerca de 100 dos reféns israelenses foram libertados durante uma trégua de uma semana que terminou em 1º de dezembro.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes