Rússia reforma tanques antigos após 3 mil perdas na Ucrânia

Por Mark Trevelyan e Greg Torode

LONDRES (Reuters) - A Rússia já perdeu mais de 3 mil tanques na Ucrânia -- o equivalente a todo o seu estoque ativo antes da guerra -- mas tem veículos blindados de qualidade inferior guardados em quantidade suficiente para anos de reposição, disse um importante centro de pesquisa nesta terça-feira.

A Ucrânia também sofreu perdas pesadas desde a invasão russa em fevereiro de 2022, mas os reabastecimentos militares vindos do Ocidente permitiram que o país mantivesse os estoques e ao mesmo tempo melhorasse a qualidade dos equipamentos, afirmou o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

Mesmo depois da perda de tantos tanques -- incluindo cerca de 1.120 somente no ano passado --, a Rússia ainda tem cerca de duas vezes mais tanques disponíveis para combate do que a Ucrânia, de acordo com o balanço militar anual do IISS, uma ferramenta de investigação fundamental para analistas da área de defesa.

Henry Boyd, pesquisador sênior especializado em capacidade militar, disse que a Rússia estava praticamente "ficando quite" em termos de substituições. Ele estimou que o país colocou em serviço cerca de 1.000 a 1.500 tanques a mais no ano passado.

Mas destes equipamentos, segundo ele, no máximo 200 foram construídos recentemente e a grande maioria é formada por modelos mais antigos reformados.

"Moscou conseguiu trocar qualidade por quantidade... retirando milhares de tanques antigos do armazenamento a um ritmo que pode, às vezes, chegar a 90 tanques por mês", afirmou o relatório.

Os estoques armazenados da Rússia provam que Moscou "poderia potencialmente sustentar cerca de mais três anos de perdas pesadas e garantir os tanques a partir dos estoques, mesmo que com padrões técnicos mais baixos, independentemente de sua capacidade de produzir novos equipamentos".

O Ministério da Defesa da Rússia optou por não comentar o relatório.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Mark Trevelyan em Londres e Greg Torode em Hong Kong)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes