Topo

Teerã diz ter derrubado drone espião dos EUA que violou espaço aéreo iraniano

20/06/2019 08h03

Os Guardiões da Revolução, corpo de elite do Exército iraniano, anunciaram nesta quinta-feira (20) ter derrubado um "drone espião americano" que, segundo Teerã, teria violado o espaço aéreo da república islâmica. O incidente acirra ainda mais a tensão entre Irã e Estados Unidos.

Os Guardiões da Revolução, corpo de elite do Exército iraniano, anunciaram nesta quinta-feira (20) ter derrubado um "drone espião americano" que, segundo Teerã, teria violado o espaço aéreo da república islâmica. O incidente acirra ainda mais a tensão entre Irã e Estados Unidos.

Segundo a TV estatal iraniana, o sistema de defesa "derrubou um drone espião americano que se infiltrou sobre a província costeira de Hormozgan, no sul do país". No entanto, a emissora não exibiu imagens do aparelho derrubado, um modelo Global Hawk, do grupo Northrop Grumman.

Para o comandante-chefe dos Guardiões da Revolução, Hossein Salami, a violação das fronteiras é "a linha vermelha a não ser ultrapassada". "Nossa reação é e será categórica e absoluta", afirmou.

Agravamento das tensões

O incidente ocorre em um momento de agravamento das tensões entre Irã e Estados Unidos. Washington intensificou na quarta-feira (19) as acusações contra Teerã, que responsabiliza pelos ataques a dois navios petroleiros no Mar de Omã, há uma semana.

O governo iraniano nega qualquer relação com os ataques e sugere que foi uma operação montada pelo próprio governo americano para justificar hostilidades contra a república islâmica.

O conselheiro diplomático francês, Emmanuel Bonne, realizou na quarta-feira uma visita a Teerã com o objetivo de, a pedidos do presidente francês, Emmanuel Macron, contribuir para o apaziguamento das trocas de ameaças. Segundo o Palácio do Eliseu, o chefe de Estado francês entrará em contato nos próximos dias com representantes de Washington e Teerã. Na segunda-feira (17), Macron pediu que o governo iraniano seja "paciente e responsável".

Além da França, a Alemanha também vem tentando mediar a tensão entre os Estados Unidos e o Irã. Na quarta-feira, a chefe da diplomacia alemã, Heiko Maas, alertou que "o risco de uma guerra no Golfo não estava descartado".

As hostilidades entre os dois países têm consequências sobre o preço do petróleo. Nesta quinta-feira, o valor do barril WTI para entrega em julho registrou um aumento de 2,57%, passando para US$ 55,14. O barril de Brent para entrega em agosto subiu 2,43%, passando para US$ 63,32.

Mais Notícias