PUBLICIDADE
Topo

Lyon, Amiens e Toulouse aguardam decisão do Conselho de Estado sobre pedido para retomar campeonato

07/06/2020 09h04

Com interesses diversos, os três clubes - Lyon, da 1ª divisão, e Amiens e Toulouse, rebaixados para a 3ª divisão - entraram com uma ação na mais alta jurisdição administrativa francesa para tentar derrubar a decisão da Liga de Futebol Profissional (LFP), que decretou o fim antecipado das competições. O veredicto será anunciado no início da próxima semana.  

Com interesses diversos, os três clubes - Lyon, da 1ª divisão, e Amiens e Toulouse, rebaixados para a 3ª divisão - entraram com uma ação na mais alta jurisdição administrativa francesa para tentar derrubar a decisão da Liga de Futebol Profissional (LFP), que decretou o fim antecipado das competições. O veredicto será anunciado no início da próxima semana.  

Das cinco principais potências europeias de futebol, a França ficou bastante isolada no cenário esportivo. O país não foi o único a colocar um apito final no campeonato nacional devido à pandemia de coronavírus. A Bélgica, Holanda e Escócia seguiram o mesmo caminho e optaram pelo término definitivo da competição. Mas em nenhum outra Liga houve tanta polêmica com uma decisão considerada controversa e precipitada. 

Não é sem uma certa ponta de inveja que os fãs de futebol do país, que é atual campeão do mundo, acompanham pela televisão a volta de campeonatos nos gramados vizinhos. 

A Alemanha foi a primeira a retomar a competição, suspensa em março pelo coronavírus. No dia 16 de maio, a bola voltou a rolar pela 26ª rodada. O clima, claro, não é o mesmo sem a torcida nas arquibancadas e respeitando um protocolo rígido para preservar a saúde dos atletas e staff.  

A decisão da federação alemã foi tomada diante da situação considerada controlada no país da Covid-19. Na sequência, outras importantes ligas europeias confirmaram a retomada do calendário esportivo. A liga portuguesa programou o retorno aos gramados de futebol esta semana. Croácia e Grécia voltam neste final de semana. Na sequência vêm Espanha, no dia 8, Premier League inglesa, no dia 17 de junho, e  Calcio, na Itália, no dia 20 de junho.

"Somos idiotas?", questiona imprensa esportiva

A volta de tantas ligas fez principalmente os franceses questionarem se as decisões de seus dirigentes não foram equivocadas. O jornal francês L'Équipe, em sua edição de 29 de maio, perguntou em sua manchete: "Somos idiotas?" ao comparar a situação da França com a de outros países importantes no continente. 

O certo é que essa temporada 2019/2020 não deixará saudades para os torcedores e clubes franceses. As partidas foram suspensas quando ainda faltavam 10 rodadas para o fim do campeonato. 

No dia 30 de abril, dois dias depois de o primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, anunciar que as competições esportivas como futebol não poderiam ser retomadas antes do dia 21 de junho, os cartolas franceses decidiram encerrar o campeonato e declarar o PSG campeão

O time parisiense estava na frente da tabela e terminou à frente do Olympique de Marselha, vice, e do Rennes, em terceiro.  

Embora tenha deixando em aberto a disputa das finais de duas Copas, da Liga e a da França, o anúncio da Liga de Futebol Profissional de encerrar por antecipação os campeonato das 1ª e 2ª divisões prejudicou vários clubes. 

Um dos mais afetados foi o Lyon, do diretor Juninho Pernambucano, que ao terminar em sétimo lugar ficará privado de grandes competições europeias como a Liga dos Campeões. O presidente Jean-Michel Aulas nunca escondeu sua irritação com a decisão da Liga Profissional e iniciou uma batalha jurídica para tentar reverter a situação tão desfavorável, que fará o clube deixar de arrecadar milhões com os direitos de transmissão de jogos. 

Liga Profissional contesta

Além do Lyon,  outros dois clubes da segunda divisão, Amiens e Toulouse, que foram rebaixados, entraram com recurso no Conselho de Estado, a mais alta jurisdição administrativa da França. Na última quinta-feira (4), o juiz Bertrand Dacosta ouviu durante três horas os argumentos dos clubes.

Didier Quillot, diretor-geral da Liga de Futebol Profissional francesa, contesta o apelo de reverter a decisão, tomada, insiste ele, por unanimidade. 

"Eu lembro que o sindicato dos jogadores não era favorável a uma retomada na semana que antecedeu o dia 30 de abril.  Então, havia uma unanimidade do conjunto de todos os envolvidos da família do futebol profissional naquele momento. Agora, precisamos pensar na temporada 2020-2021, como aliás, dois sindicatos dos clubes nos disseram que é preciso olhar para o futuro e não para o passado.", argumentou.

Antes mesmo de anunciar sua decisão, o Conselho de Estado pediu informações complementares, o que deixa um fio de esperança para os clubes inconformados com o fim dos campeonatos. O veredito deve sair na segunda-feira (8) ou terça-feira (9), mas segundo analistas, há poucas chances que Lyon, Amiens e Toulouse tenham sucesso na demanda.

Caso dê razão à LFP, os torcedores franceses só deverão ver jogos a partir de julho ou agosto, com as finais da Copa da França e da Liga e o retorno da nova temporada do campeonato. Até lá, os clubes programaram a volta aos treinos dentro de algumas semanas, mas correm o risco de, por enquanto, agendarem apenas jogos amistosos.