Autoridades alertam sobre possível distribuição de Ozempic falsificado na Europa


As autoridades sanitárias europeia e francesa fizeram um alerta nesta segunda-feira (23) sobre a possível circulação de Ozempic falsificado. O medicamento foi lançado em 2019 pela farmacêutica dinamarquesa Novo Nordisk contra o diabetes do tipo 2, mas tem sido usado para emagrecer.
 

O remédio, que é vendido em forma de caneta com uma agulha na ponta, é usado para controlar a glicose e em alguns casos é recomendado para controle da obesidade. O problema é que ele tem sido também utilizado para emagrecer sem indicação médica, uma prática que se popularizou nas redes sociais, apesar dos riscos que traz para a saúde.

Em uma nota enviada a hospitais e farmácias, a Agência Nacional de Segurança do Medicamento (ANSM) pediu "vigilância" em todas as etapas da distribuição do produto. "Até agora, não recebemos nenhum alerta na França, mas é importante verificar o número de rastreio dos medicamentos", ressalta a Agência. 

De acordo com a Agência Europeia do Medicamento (EMA), as canetas de injeção do Ozempic falsificadas, com etiqueta da Alemanha, contêm 1mg de semaglutina e foram identificadas em atacadistas da Áustria e de outros países da União Europeia, além do Reino Unido. 

A semaglutida é um análogo do hormônio GLP1, produzido pelo intestino e responsável pelo controle do metabolismo da glicose no organismo. A molécula susbtitui esse hormônio agindo no sistema nervoso central, em regiões que controlam o apetite e a saciedade.

A EMA alerta que a aparência da caneta de injeção de Ozempic falsa é bem diferente da original e abriu uma investigação administrativa e um inquérito policial para analisar o caso. Por hora, "nada indica que canetas falsas tenham sido entregues aos pacientes", diz a nota da agência europeia.

Com o sucesso do Ozempic, a famarcêutica Novo Nordisk estima que o volume de vendas da empresa, que foi de € 23,7 bilhões em 2022, deve crescer de 32 a 38% em 2023. A previsão inicial foi de 27 a 33%, mas aumentou com a expectativa da demanda nos Estados Unidos, de acordo com um comunicado da empresa publicado em 13 de outubro.

Remédio traz riscos

Os efeitos colaterais do Ozempic incluem problemas digestivos e até inflamação do Pâncreas. De acordo com um estudo publicado em 5 de outubro, o remédio também aumenta o risco de problemas gastrointestinais graves, incluindo paralisia estomacal,

Continua após a publicidade

A pesquisa, publicada no jornal American Medical Association (JAMA), uma das principais revistas médicas do mundo, analisou uma classe de medicamentos chamados agonistas do GLP-1, que inclui as marcas Wegovy, Ozempic, Rybelsus e Saxenda.

A taxa de efeitos colaterais graves foi comparada com outra classe de medicamentos para perda de peso, a bupropiona-naltrexona. Os agonistas do GLP-1 foram associados a um risco quatro vezes maior de paralisia gástrica, nove vezes maior de pancreatite e quatro vezes maior de obstrução intestinal.

Essas condições podem levar à hospitalização e à necessidade de cirurgia, dependendo da gravidade. A análise incluiu pacientes com histórico recente de obesidade, mas excluiu aqueles com diabetes ou para quem foi prescrita outra droga antidiabética. 

Com informações da AFP

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes