Rússia prepara 'corpo militar africano' para substituir Wagner, aponta investigação

Quase seis meses após a rebelião do grupo paramilitar russo Wagner e da morte de seu líder, Yevgeny Prigozhin, que aconteceu dois meses depois, na queda de um avião, o Ministério da Defesa russo trabalha em uma nova unidade: um "corpo africano" que substituiriao  Wagner, de acordo com diversos meios de comunicação e canais do Telegram.

Uma delegação russa liderada pelo vice-ministro da Defesa russo, coronel-general Younous-bek Bamatguireevich Evkourov, visitou, na segunda-feira (4), Niamei, capital do Níger. Esta é a primeira viagem oficial de um membro do governo russo a este país desde o golpe de 26 de julho, que perturbou as relações diplomáticas entre o Níger e seus parceiros internacionais.

A delegação foi recebida segunda-feira pelo chefe do regime militar nigeriano, general Abdourahamane Tiani. No final da reunião, as partes procederam "à assinatura de documentos no âmbito do reforço da cooperação militar entre a República do Níger e a Federação Russa".

?A  All Eyes on Wagner, um grupo de investigação que documenta a influência russa na África, publicou, na segunda-feira, um estudo sobre o Burkina Faso que revela que a presença russa no país está em pleno crescimento. ?

Lou Osborn, membro do grupo e coautora de "Wagner, enquête au cœur du système Prigojine" (Wagner, investigação no coração do sistema Prigozhin), das edições Faubourg-Documents, afirma que não se sabe quem dirige o grupo atualmente.

"O que sabemos é que hoje existe uma implicação forte do ministério da Defesa russo que, após a morte de Yevgeny Prigozhin, começou a viajar de maneira regular para a África, com, dentro da delegação, representantes do ministério da Defesa, mas também dos serviços secretos russos", ele conta.

"Eu acho que precisamos começar a nos afastar um pouco do nome Wagner. [O grupo] continua sendo uma marca bastante interessante para a Rússia, mas hoje vemos realmente uma recuperação no Ministério da Defesa das atividades que o grupo estava fazendo em termos de sua presença no local [Ucrânia]. Por enquanto, não vimos nenhuma mudança significativa", ela acrescenta.

Em sua opinião, isso poderia indicar que o grupo vai integrar progressivamente o Exército russo.

Presença da Rússia

Para Osborn, o objetivo não é transformar o grupo em uma "sucursal" do Exército destinada às parcerias externas, mas sim usá-lo como uma maneira de fortalecer a presença da Rússia no âmbito internacional.  

Continua após a publicidade

"Fornecemos uma ferramenta que chamamos de Wagner ou com outro nome que é eficaz para espalhar sua influência e ajudar a Rússia a projetar seu poder além dos países dentro de sua proximidade geográfica", ela analisa. "Promover a Rússia e seus interesses continua obviamente a ser uma prioridade para o Kremlin. Não importa a forma."

?Pouco se sabe sore as lideranças do grupo após a morte de Prigozhin.  "Sabemos que há um certo número de executivos que sobreviveram, que não estavam no avião, que começaram a partir para outras organizações, que são afiliadas aos serviços de segurança russos. Então isso é um pouco do que vemos, mas hoje temos poucas informações a respeito destes líderes", continua.

No que diz respeito à queda do jato privado de Yevgeny Prigozhin, na opinião da pesquisadora, também não existe muita informação.

"É realmente difícil imaginar que eles farão uma investigação independente e completa sobre o que aconteceu. Então provavelmente nunca iremos saber. Obviamente, a hipótese mais provável é que seja um assassinato por encomenda", ela conclui.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes