COP28: Prejuízos pelas mudanças do clima pressionam agricultura brasileira a se descarbonizar

Só em 2022, foram US$ 17 bilhões de prejuízos para o agronegócio brasileiro devido a fenômenos climáticos, principalmente secas. O setor está na linha de frente dos impactos das mudanças do clima, mas também responde por uma parcela considerável (18%) das emissões mundiais de gases de efeito estufa, que provocam o aquecimento global.

Lúcia Müzell, enviada especial da RFI a Dubai

"Nos últimos 10 anos, tivemos uma perda de cerca de US$ 57 bilhões na agricultura, a maior parte na produção de alimentos. Para os países vulneráveis, a diminuição da produção em função de eventos extremos, como grandes estiagens ou chuvas torrenciais, afeta os mais pobres, porque aumenta o preço dos alimentos", exaltou a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, neste domingo (10), em uma coletiva de imprensa da presidência da COP28.

O agronegócio brasileiro comparece em peso na Conferência do Clima da ONU em Dubai (COP28), determinado a mostrar para o mundo que a produção agrícola do país está mobilizada para reduzir o seu impacto ambiental. O maior desafio é o fim do desmatamento, prometido para até 2030 e que deve permitir que o país corte quase pela metade as suas emissões. Mas as práticas da agropecuária ainda precisam ser mais sustentáveis para atingir resultados ainda melhores - e reverter a imagem negativa que abalou a confiança de mercados internacionais no país. 

"Pelo menos com as lideranças que eu tenho conversado, há uma consciência muito clara de que o primeiro setor a ser afetado pelas mudanças climáticas vai ser o agronegócio, e eles não têm nenhum interesse que o clima se altere dessa forma", disse Roberto Azevêdo, ex-diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) e que agora preside a Iniciativa Internacional para o Agronegócio Brasileiro.

"Como nós fazemos uma transição para uma economia verde e como o setor pode se adaptar é uma pergunta a que poucos países conseguiram responder, se é que algum conseguiu, porque requer investimentos que não são baratos e só vão amadurecer e dar resultados daqui a alguns anos. Os recursos fiscais dos governos não serão suficientes para que a gente atinja a meta de carbono zero em 2050, em nenhum lugar", apontou, defendendo também investimentos do setor privado para fechar a conta bilionária da transição.

Potencial de liderança na agropecuária sustentável

Renata Potenza, especialista em clima e agricultura do Imaflora (Instituto de Manejo e Certificação Florestal Agrícol), garante que o Brasil faz parte da solução e não do problema, rumo à descarbonização da economia mundial até meados do século. "O Brasil pode ser uma liderança de uma agricultura e uma pecuária mais regenerativa, sustentável e menos impactante, lembrando que hoje o Brasil tem participação significativa nas emissões globais, como quinto, sexto ou sétimo maior emissor do mundo, conforme a fonte que a gente olhar", ressaltou. 

Potenza assinala que o Plano ABC (Agricultura de Baixo Carbono) tem acelerado a adoção de boas práticas no campo, mas ainda não opera em escala suficiente para resultar no impacto que poderia. 

Continua após a publicidade

"Precisaríamos de mais escala e mais velocidade. Se o Brasil continua com as métricas e políticas públicas já existentes hoje, até 2050 teremos um aumento de 7% das emissões", aponta. "Poderia ser pior, obviamente. O plano ajuda a reduzir, mas ainda assim estamos falando de aumento de emissões, portanto de temperatura."

Exemplos de melhores práticas no campo

Entre estas práticas estão melhorar a qualidade das pastagens - visando à redução das emissões de metano pela pecuária -, aumentar o plantio direto e a integração entre a lavoura, a pecuária e a floresta, o uso de plantas de cobertura do solo que sequestram mais carbono, a agricultura de precisão - capaz de reduzir até 30% das emissões ao limitar o uso de insumos agrícolas e a diversificação agrícola, no lugar de monoculturas.

"A lista é enorme", salienta o agrônomo Carlos Eduardo Cerri, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da USP. "O mundo precisa de comida e eu não tenho dúvida nenhuma de que o Brasil é muito mais solução do que problema. O maior problema global das emissões de gases são as queimas de combustíveis fósseis, que representam 73% das emissões", destacou. "Me pareceu, de forma muito infeliz nesta COP, que os países simplesmente se ausentaram dessa responsabilidade para colocar uma cortina de fumaça e querer direcionar o problema para os sistemas alimentares", afirmou.

O pesquisador lembra que, conforme as projeções da FAO (Organização para a Alimentação e a Agricultura, ligada à ONU), o mundo precisará aumentar ainda mais a produção de alimentos para atender o crescimento da população mundial.

"O desafio é aumentar com menor emissão de gases e com remoção de uma parte, na planta e no solo, com adoção de boas práticas de manejo", complementa. "Mas o produtor precisa de apoio, com taxas mais baixas de empréstimo. Estamos vendo aqui que não falta dinheiro: o dinheiro está sobrando para proteger os combustíveis fósseis, mas para outras áreas, é nada ou muito pouco."

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora