PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Ex-PM, dono de cursinho para a PRF aparece defendendo violência contra civis

Bruno Torquato

Colaboração para o UOL, em Betim (MG)

26/10/2020 20h20

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra Evandro Guedes, fundador e presidente da AlfaCon, escola preparatória para concursos públicos, declarando mensagens machistas, racistas e até mesmo defendendo violência contra civis, seja mulheres, crianças ou idosos. A gravação teria ocorrido em abril deste ano, mas voltou a viralizar. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) apareceu em outro vídeo essa semana divulgando a AlfaCon.

No vídeo, Evandro diz que os homens, caso se ingressem na PRF (Polícia Rodoviária Federal), serão "aqueles caras f*da (sic), que todo mulher vai querer dar se fosse solteiro". Diz ainda que eles poderão "dar carteirada em todos os put*iros".

Ao citar atos de agressão, ele demonstra orgulho no vídeo de seus atos. "Evandro, você era violento na Polícia Militar? Muito violento", diz o empresário perguntando para si mesmo e respondendo logo em seguida.

Em outro trecho ele afirmou ainda que agrediu todos os perfis de civis. "Eu dei porrada em todo mundo: homens, mulheres, crianças, velhos e adolescentes."

Nas imagens, Evandro destaca ainda um trabalho de policiamento que ele teria feito em uma partida no Maracanã, onde jogavam Flamengo e Fluminense. Algum torcedor teria jogado uma lata de refrigerante com urina nas costas dele. Questionado, diz Evandro no vídeo, ele mostrou uma região da onde teria partido a lata para seu capitão.

"Fiquei todo mijado, mijo de favelado, aquela criolada (sic), todo mundo rindo", relatou. De acordo com a descrição no vídeo, o capitão de Evandro teria delimitado então uma área de torcedores e dado uma ordem para "bater em todo mundo".

Evandro finaliza dizendo que "aí é comigo mesmo". "Foi o primeiro ato de execução de maldade e crueldade que eu fiz. P..., eu vou para o Estado Islâmico", contou.

Bolsonaro fez vídeo divulgado pelo cursinho

Outro vídeo que circulou que envolve a AlfaCon é do presidente Jair Bolsonaro. Ele manda mensagem para os alunos da escola, o que poderia caracterizar como propaganda.

A escola compartilhou o conteúdo no Instagram com a hashtag #tbt, que é uma forma dos usuários da rede social se lembrarem de algo do passado e publicado sempre em uma quinta-feira.

Nele, Bolsonaro diz: "Olá, estudantes da AlfaCon, vocês que estão se preparando para esse concurso da Polícia Federal: boa sorte, hein? Boa sorte, não é impossível, não. É difícil. Nós acreditamos em vocês".

O presidente ainda prometeu empossar os aprovados: "No ano que vem vou dar posse para todos vocês".

O cargo de Presidência da República não deixaria Bolsonaro fazer tal propaganda, porque um servidor público deverá agir com impessoalidade, de acordo com a Constituição Federal. Procurado, o Palácio do Planalto disse ao UOL que "trata-se de mera mensagem de incentivo dirigida a pessoas que estão estudando para concurso".

A nota do Palácio do Planalto diz ainda que não houve nenhuma forma de propaganda.

"É importante destacar que o Presidente da República gravou um vídeo apenas desejando boa sorte para estudantes já matriculados na instituição, ou seja, não houve nenhuma publicidade para o cursinho com o escopo de aumentar número de alunos. Também não houve nenhum comprometimento de aprovação dos alunos", argumenta.

Ainda de acordo com o comunicado enviado, não há como se falar em violação de qualquer princípio.

"A fala do Presidente é genérica e motivadora. Ademais, a projeção de um futuro otimista é modo simpático de estimular o estudo para possíveis futuros servidores públicos àqueles que tenham o objetivo de vir a eventualmente desempenhar a nobre função. Portanto, não há que se falar em violação aos princípios constitucionais da moralidade e da impessoalidade ou quaisquer outros", acrescenta o Planalto.

O UOL procurou diversas vezes contato com Evandro Guedes e a AlfaCon por meio de sua assessoria de imprensa, mas ainda não teve resposta. Nas redes sociais, Evandro respondeu um seguidor que o questionou sobre o vídeo.

"A galera progressista sempre vai falar mal de mim por conta da minha essência. Coitados... Fica esse povo meio socialista, meio progressista, meio comunista, meio intelectual, meio uma p... toda e todo mundo na m... criticando quem venceu vindo no (sic) nada. Só me batem porque venci. Faz parte e os espertos se convertem e rumam aos 5% de pessoas f...", escreveu.

Em outra publicação no Instagram, Evandro se diz "conservador de direita", mas que não vê problema em ter contatos com pessoas da esquerda, "desde que não exista radicalismo e ativismo violento".

Cotidiano