PUBLICIDADE
Topo

Descontrolado, Bolsonaro ataca de novo: "Ficar em casa é coisa de covarde"

Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

25/03/2020 13h53

Como um pistoleiro enlouquecido, completamente fora de controle, Bolsonaro saiu atirando para todos os lados em seu "discurso da morte" da véspera, mas ainda não estava satisfeito.

Na manhã desta quarta-feira, ele voltou ao "cercadinho" do Alvorada para atacar outra vez os governadores e desafiar a população:

"Ação dos governadores é um crime e ficar em casa é atitude de covarde".

"Discurso da morte" foi o nome dado hoje por sete entidades médicas ao pronunciamento de cinco minutos em rede nacional de rádio e TV, na terça-feira, em que Bolsonaro defendeu a reabertura das escolas e do comércio.

Para salvar seu governo, que está fazendo água por todos os lados, cada vez mais isolado, o presidente debocha da pandemia de coronavírus e coloca em risco a vida dos brasileiros que ele chama de covardes:

"É como uma chuva. Temos que enfrentá-la, com ou sem guarda-chuva",

Em reunião virtual com governadores do sudeste, logo em seguida, bateu boca e trocou ofensas com o paulista João Doria, como se estivesse na cantina de um quartel.

Ao ver fantasmas e inimigos imaginários por toda parte, o presidente agora está falando até em "golpe preparado pela esquerda", logo a oposição que há tempos abandonou o campo de batalha, e só ele não percebeu.

Em sua escalada terrorista, Bolsonaro está fazendo lembrar aquele tenente que planejava jogar bombas nos quarteis e explodir a estação de tratamento de águas do Rio de Janeiro, o que o levou a ser preso, processado e aposentado pelo Exército, aos 33 anos.

Mas até agora nenhum militar da ativa ou da reserva se manifestou para defender as Forças Armadas, ameaçadas de desmoralização, pela insanidade do antigo tenente, eleito presidente da República, que governa cercado de generais.

Para preparar, de surpresa, o "discurso da morte", Bolsonaro não os consultou e preferiu confiar nos conselhos dos assessores do "gabinete do ódio", comandado pelo seu filho Carlos 02, o Carlucho.

Nesta quarta-feira, o principal conselheiro do presidente, general Augusto Heleno, chefe do GSI, voltou ao Planalto às pressas, interrompendo sua quarentena por ter contraído o coronavírus, mas o estrago já estava feito, e Bolsonaro continuava na ofensiva, jogando todas as suas fichas no caos.

A artilharia de Bolsonaro mirou no ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ao ir na contramão de todas as recomendações dadas à população nas últimas semanas, para implantar e manter o isolamento social, única forma de conter o avanço da pandemia, medida já adotada por todos os países, onde cresce o número de infectados e mortos, como aqui.

Discute-se agora em Brasília se o ministro será demitido ou vai pedir demissão, aumentando o clima de insegurança na população, que já não sabe mais quem manda, nem o que pode ou não fazer, em meio à crise avassaladora na economia e na saúde pública.

Com seu destempero verbal, partindo para o tudo ou nada, agarrado ao plano suicida do ministro Paulo Guedes, que queria deixar os trabalhadores quatro meses sem salários, e sumiu de cena, Bolsonaro não vai salvar a economia e pode provocar um genocídio no Brasil.

O que está em jogo agora não é a sobrevivência do seu mandato, que na prática já acabou, mas a de milhões de brasileiros ameaçados pelo vírus e pela falta de governo.

O show diário no "cercadinho" do Alvorada está com o prazo de validade vencido.

Vida que segue.

.

Balaio do Kotscho