PUBLICIDADE
Topo

Comissão Arns

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Desaparecimento de indigenista brasileiro e jornalista inglês na Amazônia

Bruno Araújo Pereira e Dam Phillips - Reprodução/TV Globo
Bruno Araújo Pereira e Dam Phillips Imagem: Reprodução/TV Globo
Comissão Arns

Ailton Krenak (líder indígena e ambientalista), André Singer (cientista político e jornalista), Antônio Cláudio Mariz de Oliveira (advogado, ex?presidente da OAB-SP), Belisário dos Santos Jr. (advogado, membro da Comissão Internacional de Juristas), Cláudia Costin (professora universitária, ex-ministra da Administração), Fábio Konder Comparato (advogado, doutor Honoris Causada Universidade de Coimbra, professor emérito da Faculdade de Direito da USP), José Carlos Dias (advogado, ex-ministro da Justiça), José Gregori (advogado, ex-ministro da Justiça), José Vicente (reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares), Laura Greenhalgh (jornalista), Luiz Carlos Bresser-Pereira (economista, ex-ministro da Fazenda, da Administração e da Reforma do Estado), Luiz Felipe de Alencastro (historiador, professor da Escola de Economia da FGV/SP e professor emérito da Sorbonne Université), Margarida Bulhões Pedreira Genevois (presidente de honra da Comissão Arns, ex-presidente da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo), Maria Hermínia Tavares de Almeida (cientista política, professora titular da Universidade de São Paulo), Maria Victoria Benevides (socióloga e cientista política, professora titular da Faculdade de Educação da USP), Oscar Vilhena Vieira (jurista, professor da Faculdade de Direito da FGV/SP), Paulo Vannuchi (jornalista, cientista político, ex-ministro de Direitos Humanos), Paulo Sérgio Pinheiro (presidente da Comissão Arns, cientista político, ex-ministro da Secretaria de Estado de Direitos Humanos), Sueli Carneiro (filósofa, feminista, ativista anti-racista e diretora do Gelidés), Vladimir Safatle (filósofo, professor do Departamento de Filosofia da USP)

10/06/2022 08h47Atualizada em 10/06/2022 08h47

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns — Comissão Arns acompanha com grande apreensão o desaparecimento de Bruno Araújo Pereira e Dom Philips, na Terra Indígena do Vale do Javari (AM), em condições até agora não esclarecidas. A excepcionalidade da situação e o agravamento do risco de vida desses respeitados profissionais cobram do Estado brasileiro que adote, com a máxima urgência, todas as medidas necessárias para a localização dos desaparecidos, tais como:

(a) intensificação das buscas, de forma ágil e eficiente;

(b) fiel cumprimento da decisão da 1ª Vara Cível da Justiça Federal do Amazonas, que requisitou o emprego de todos os meios necessários para o sucesso das operações, constatando que a União negligenciou seus deveres de proteção dos indígenas e de fiscalização de suas terras ameaçadas;

(c) engajamento pessoal do Sr. General Achilles Furlan, Comandante Militar da Amazônia, para que prossiga no alto comando das ações de salvamento, prestando contas às famílias, aos povos indígenas, à cidadania brasileira e à opinião pública internacional;

(d) investigação profunda e criteriosa dos fatos, bem como de sua possível conexão com delitos praticados por organizações criminosas, naquela região fronteiriça habitada por indígenas isolados e particularmente vulneráveis.

A Comissão Arns destaca que a desaparição aconteceu em contexto anormal, que se acentuou nos últimos anos com a desproteção das terras indígenas, o desmonte dos órgãos de controle ambiental, a diminuição da fiscalização de atividades predatórias, a crônica insegurança pública e a promoção do ódio contra indígenas, servidores da FUNAI, técnicos do IBAMA e jornalistas profissionais.

O infausto acontecimento ressalta a necessidade de proteger os indígenas e suas terras, como Bruno Pereira e Dom Phillips sempre buscaram em sua atuação profissional merecedora de respeito e admiração. Às famílias de ambos, transmitimos a nossa solidariedade, neste momento de compartilhada aflição. Que eles sejam logo encontrados VIVOS.

JOSÉ CARLOS DIAS
Presidente da Comissão Arns