PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Teich escolheria mandar velhos morrer em casa para reservar UTI a jovens?

Frame do vídeo em que Nelson Teich faz um juízo sobre atendimento aos idosos que obriga o agora ministro da Saúde a se explicar. Vale para tempos de coronavírus? - Reprodução/Youtube
Frame do vídeo em que Nelson Teich faz um juízo sobre atendimento aos idosos que obriga o agora ministro da Saúde a se explicar. Vale para tempos de coronavírus? Imagem: Reprodução/Youtube
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

17/04/2020 07h36

Circula freneticamente nas redes, desde ontem, um vídeo que pode deixar Nelson Teich, o novo ministro da Saúde, numa situação delicada com os idosos — e, por desdobramento lógico, com todas as pessoas que sejam portadoras de doenças ou de necessidades que requeiram cuidados especiais. Se tais palavras saíssem da boca de um petista, os extremistas de direita não hesitariam em fazer seus vídeos e memes afirmando: "Comunista quer matar os velhos". E, convenhamos, a rigor, o que diz o "camarada Teich" seria perfeitamente compreendido, deixem-me ver, pelo Camarada Stálin. Huuummm... Vai aqui uma provocação a meus amigos stalinistas: tenho dois. Só dois. Fui trotskista na infância, como sabem...

O vídeo que circula por aí é breve. Traz apenas o corte mais delicado da fala de Teich. Acima, segue na íntegra. Portanto, o leitor poderá avaliar se suas afirmações foram ou não tiradas do contexto. Eu diria que o contexto em que ele assume a Saúde é que o obriga a se explicar. O trecho está a partir dos 4'50".

Transcrevo o trecho polêmico. Mas também falarei sobre o vídeo no seu conjunto.

"E, se tem uma outra coisa que é fundamental, é que como você tem dinheiro limitado, você vai ter que fazer escolhas. Então você vai ter que definir onde você vai investir. Então, sei lá, eu tenho uma pessoa que é uma pessoa mais idosa, que tem uma doença crônica, avançada, e ela teve uma complicação. Para ela melhorar, eu vou gastar praticamente o mesmo dinheiro que eu vou gastar para investir num adolescente, que tá com um problema. O mesmo dinheiro que eu vou investir lá é igual. Só que essa pessoa é um adolescente que vai ter a vida inteira pela frente, e o outro é uma pessoa idosa, que pode estar no final da vida. Qual vai ser a escolha? Então são duas coisas importantíssimas na Saúde hoje é (sic): o dinheiro é limitado e você tem de trabalhar com essa realidade. A segunda coisa: escolhas são inevitáveis. Quais vão ser as escolhas que você vai fazer, né?"

Pois é...

VAMOS VER
Colegas de profissão de Teich dizem ser ele um excelente oncologista. Tomara que sim! Não conheço. Avaliações da corporação são sempre delicadas. No vídeo, quem fala é um burocrata -- não empresto à palavra uma carga negativa --, um gestor, que se tornou notável como empresário e consultor da área. Dá para imaginar que deve fazer muito sucesso junto a planos de saúde.

Os modelos coletivistas e produtivistas de sociedade não teriam dificuldade nenhuma em endossar integralmente a fala do agora ministro, com ou sem contexto, certo? Afinal, sendo limitados os recursos, investe-se em quem pode produzir mais. Huuummm... Há uma contra pragmática aí, né? "O idoso já rendeu o que tinha de render". Também o capitalismo que alguns já chamaram "selvagem" não repudiaria o troço: que sentido faz investir no que não dá retorno?

Vamos ser claros: a proteção a idosos, a pessoas com doenças raras e, muitas vezes, a portadores de necessidades especiais é um compromisso moral (dos indivíduos) e ético (das sociedades). Não é uma escolha de pura racionalidade econômica. Sem essas balizas, por óbvio, o autoritarismo da eficiência — seja em defesa do Estado, seja para remunerar o capital — viraria uma imposição dos fatos.

Avanço um pouco no pensamento: não escolhemos a democracia porque seja o regime mais rápido e eficiente na solução de conflitos. Ao contrário até: ela tende a produzir os problemas derivados da própria diversidade de vozes. Não se opta, enfim, pela democracia por pragmatismo, mas por compromisso... ético. Vamos voltar à fala do doutor Teich.

DIFERENÇA ENTRE INVESTIMENTO E CONDENAÇAO À MORTE
Não quero submeter o agora ministro ao chicote. Quero que ele se explique.

Havendo recursos limitados, e eles sempre o serão, o que é prioridade? Investir no atendimento às crianças e adolescentes ou aos idosos? Este quase idoso que escreve não hesita em responder: às crianças e adolescentes. Como se parte do pressuposto de que falamos de recurso público, mais estes do que aqueles reúnem condições de manter a solvência do sistema.

Até aqui, estamos entendidos. A forma como se expressou, no entanto — e ele próprio fez um vídeo porque quer que o público saiba o que pensa — foi infeliz para dizer pouco. O conteúdo está por esclarecer.

Na sua fala, infelizmente, vai uma sentença de condenação à morte dos idosos. Falta dinheiro ao SUS — e é do sistema que ele falava — e faltará sempre. A precariedade no atendimento às crianças e jovens é proverbial. O novo ministro da Saúde está a dizer que idosos com doenças crônicas que venham a ter complicações devem ser deixados de lado em nome da perspectiva produtivista — e, ainda assim, mal assistida.

O sistema privado de saúde, por intermédio dos planos e convênios, como se sabe, já faz isso à sua maneira. A mensalidade que se cobra aos idosos é de tal sorte elevada que se trata de um convite para que deixem o serviço, o que os empurra ou para o SUS (Teich também não os quer lá) ou para verdadeiras arapucas que são caça-níqueis da poupança dos velhinhos.

PENSAMENTO COM HISTÓRIA
Não que o pensamento do doutor não tenha história. Tem. Os recém-nascidos de Esparta, tudo indica, eram levados ao Conselho dos Anciões (os velhos, alguns, se davam bem por lá). Se considerados franzinos ou deformados, eram jogados no precipício, chamado de "Apothetai" -- depósitos. Afinal, seriam imprestáveis para os propósitos daquela sociedade.

A Quarta das Dozes Tábuas da Lei, que está na origem do Direito Romano, cuidava do pátrio poder. E dava ao pai o direito de matar o filho que nascesse com deformidade. Sociedades têm os seus valores, não é mesmo?

A questão é saber para onde nos conduz o pensamento do doutor Teich e qual é a sua linha de corte — ou sua linha de morte.

FIM DO SUS?
Por que o SUS tem de tratar os diabéticos se apenas uma minoria é diabética? Por que tratar os asmáticos se apenas uma minoria é asmática? Por que tratar os cardíacos se apenas uma minoria é cardíaca? Por que tratar os portadores de doenças raras se raras são? E o que não dizer, então, dos males que podem ser derivados de maus hábitos, como obesidade, colesterol, alcoolismo (já uma doença em si) e sedentarismo?

Perceberam para onde nos leva o pensamento? Para a destruição do SUS, que deixaria, então, de ser um sistema universal de atendimento à saúde — e o desastre do coronavírus só não é maior porque ele existe — para ser uma estrutura que, ora vejam!, seria, então, voltado para quem não precisa de atendimento.

Dada essa perspectiva, poder-se-ia chegar a uma de duas soluções autoritárias, a de esquerda e a de direita: no primeiro caso, o Estado escolheria quem receberia tratamento e quem seria jogado no precipício segundo, vamos dizer, aquele viés espartano: cuidaremos dos que podem assegurar a sobrevivência do sistema. No segundo caso, extinguir-se-ia o SUS — que custa caro demais ao conjunto da população —, e cada um cuidaria de si. Nada de Leviatã hobbesiano de jaleco a nos atormentar, certo, doutor? Cada milícia se encarregaria de proteger os seus.

MAU MOMENTO
A fala de Teich vem a público num mau momento. Contra as evidências fáticas, a extrema-direita transformou a Covid-19 numa doença de idosos. Até a semana passada, em São Paulo, 50,6% dos internados tinham menos de 60 anos. De fato, os idosos morrem mais. Mas todos pressionam o sistema em busca de leitos normais e de UTI.

Aplicada a fórmula de Teich, uma forma de evitar o colapso do sistema seria, de modo preventivo, evitar a ocupação de leitos hospitalares com os idosos. Afinal, a escolha mais racional, dada a escassez de recursos, seria reservá-los para as jovens e as pessoas em idade produtiva. Nem precisaríamos chegar ao caos italiano. Mandaríamos os velhos para morrer em casa.

Doutor Teich convida, assim os idosos a tomar o rumo do monte Narayama — refiro-me, claro!, ao filme "Balada de Narayama", de Keisuke Kinoshita, escolhendo a morte. Melhor do que pressionar o sistema.

Enquanto isso, seu novo chefe pode vituperar às portas do Palácio da Alvorada, chamando de covardes os que se negam a sair de casa.

As sociedades devem, sim, investir prioritariamente na formação e no bem-estar das crianças e jovens como escolha mais racional na administração de recursos. E devem fazer o possível para proteger seus idosos, seus doentes e as pessoas com necessidades especiais. Essa é uma escolha ética.

Conseguimos ser eficientes e éticos ao mesmo tempo, ou a incivilização brasileira vai inaugurar uma nova polaridade?

Reinaldo Azevedo