PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

STF faz o certo; extremistas de centro têm de ressuscitar o Bonde do Tigrão

Reprodução
Imagem: Reprodução
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

16/04/2021 08h35

Receitem, por favor, doses elevadas de Rivotril para os extremistas de direita e para esta categoria realmente insólita surgida em certo colunismo: os extremistas de centro. Daqui a pouco, será preciso chamar o "Bonde do Tigrão" para fazer uma releitura de "Elas estão descontroladas". Uns e outros, ainda que se estranhando, estavam, na prática, a advogar que o STF fizesse um "julgamento político" da anulação dos processos que dizem respeito a Lula que tramitaram na 13ª Vara Federal de Curitiba.

Não aconteceu. Por 8 a 3, o Supremo fez a coisa certa. Ademais, não se julgava mérito ali. Nunes Marques, o Kássio Conká, ignorou a natureza do embate. Abriu divergência e meteu os pés pelos pés. Afirmou haver provas de que tríplex e sítio pertenciam a Lula. Mentira. Não há. Disse haver ligação entre contratos da OAS com a Petrobras e apartamento. Mentira. O próprio Sergio Moro nega. Conká já deu três votos exemplares do buraco civilizacional em que nos metemos.

Volto aos descontrolados. Os fascistoides, por óbvio, temem um eventual confronto nas urnas entre o seu líder, Jair Bolsonaro, e o ex-presidente. E o centro-extremismo, ainda que de forma sorrateira, advogava, vamos dizer, a utilidade redentora da manutenção de uma farsa judicial.
(...)
Os extremistas de centro resolveram se abraçar a seus congêneres à direita para brandir a tese mentirosa de que a anulação abrirá caminho para centenas de outras. O próprio Luiz Fux vocalizou a balela terrorista na quarta-feira (14). A afirmação é tão verdadeira como aquela que assegurava que a execução da pena só depois do trânsito em julgado colocaria na rua quase 200 mil condenados. Não eram e não são argumentos, mas histeria. Ressuscitem o Bonde do Tigrão. Ou tomem Rivotril. Que o STF saia definitivamente da Terra dos Mortos.

Íntegra aqui

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL