PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Hang, o reacionário que se tornou bilionário na era PT, complicou-se na CPI

Luciano Hang durante depoimento à CPI. Sua galera acha que ele estraçalhou. Mas se complicou bastante. E deixou a Prevent Senior em situação difícil - Rafaela Felicciano/Metrópoles
Luciano Hang durante depoimento à CPI. Sua galera acha que ele estraçalhou. Mas se complicou bastante. E deixou a Prevent Senior em situação difícil Imagem: Rafaela Felicciano/Metrópoles
só para assinantes
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

29/09/2021 16h55

Luciano Hang, com seu ridículo terno nas cores pátrias, é um rico provocador barato. Não foi à CPI, obviamente, para esclarecer assunto nenhum. Sentou na cadeira para fazer proselitismo em favor do governo Bolsonaro e para vender bugigangas ideológicas falsificadas. Tão "fake" quanto a Estátua da Liberdade que se tornou símbolo do seu empreendimento.

Muita gente diz ter sido um erro convocá-lo porque só teria dado pretexto à confusão e à gritaria, com aquele senador buliçoso — aquele, cujo assessor foi preso por narcotráfico; sempre esqueço o seu nome — a servir de uma espécie de papagaio de pirata propagandístico do Zé Carioca convertido à extrema direita. Talvez tenha sido útil.

Hang se finge de louco, mas é bastante esperto e tem advogados que sabem das coisas. Disse, por exemplo, que não sabia que a Prevent Senior havia omitido do atestado de óbito da mãe a morte em decorrência da covid-19. Se tentou livrar a barra da operadora de Saúde, dizendo ter autorizado todos os procedimentos — e, nesse caso, não se complica —, não foi tonto o bastante para admitir que coonestou a omissão do atestado.

Sim, em última instância, atestados de óbitos também estão protegidos pelo sigilo — em especial quando se trata de doenças estigmatizantes. A morte não elimina o direito à privacidade, que alcança a família. Mas já há jurisprudência a respeito: assim é a menos que outro valor mais alto se alevante. O direito ao sigilo não pode, nesse e em qualquer caso, pôr em risco a saúde pública, por exemplo.

Flávio Bolsonaro, presente à sessão para tumultuar, protestou contra a exibição do atestado de óbito, sugerindo ser uma violação da intimidade. Seria, sim, não fosse o interesse público da causa. Ele não é tonto e sabe disso. Mas, a exemplo daquele senador cujo assessor foi preso por narcotráfico, estava na comissão para provocar barulho.

SEGUNDO PONTO IMPORTANTE
Hang, com seu inflado ego verde-amarelo, torna a questão do tratamento com drogas ineficazes ainda mais grave, ainda mais criminosa.

Ele gravou um vídeo sugerindo ter se arrependido de não ter tratado a mãe com os remédios do tal kit. Está provado que Regina Hang os recebeu numa unidade do hospital Sancta Maggiore. Confrontado com a contradição, saiu-se com uma resposta agressiva e ainda mais louca.

Afirmou que iria "desenhar", como se os senadores fossem idiotas, a diferença entre tratamento "preventivo" e "precoce". Afirmou, então, que seu arrependimento teria a ver com o fato de não ter adotado o tratamento preventivo.

Sim, são coisas distintas. E o tratamento dito "preventivo", que ele defendeu, consegue ser ainda mais perigoso do que o "precoce". Entenda-se: este segundo seria ministrado depois de sintomas da doença. Sim, as drogas são inúteis e potencialmente danosas à saúde. Mas, vá lá, já se trata de um contaminado.

A tese da "prevenção" é gravíssima porque revela o que, de fato, se pretendia inicialmente — e é isto o que Hang está demonstrando: distribuir hidroxicloroquina para a galera como alternativa ao distanciamento social, aquele que prejudicaria a economia.

Que fique claro à CPI, e Hang, na pratica, o confirma: não se tratava nem mesmo do já criminoso tratamento precoce: o que se pretendia era substituir distanciamento e a vacina por hidroxicloroquina, criando a ilusão da proteção. É aquele remédio que Bolsonaro ofereceu à ema, lembram-se? Ela refugou...

FINANCIADOR DE FAKE NEWS
Hang está na CPI também por sua possíveis ligações com o financiamento de fake news. A CPI dispõe de correspondência entre pistoleiros que atuam nessa área indicando que ele foi mobilizado para dar suporte a uma dessas páginas. E teria topado. Bem, vamos ver o que dirá o relatório final.

Quero aqui me ater a um aspecto da militância de Hang, que irrompeu na cena política como o mais agressivo e burlesco dos empresários bolsonaristas. Ainda hoje, na CPI, exibiu-se um vídeo em que ele alertava para o risco de venezuelização do país se Fernando Haddad fosse eleito, acrescentando que ele mesmo deixaria de investir no país se o PT vencesse a eleição.

Com todas as vênias, trata-se de uma vigarice ideológica.

Será mesmo que Lula e Dilma conduziram governos socialistas, que impediram Hang de crescer? Não é o que informa a própria Havan em sua página.

Hang chega a 2003, primeiro ano do governo Lula, com quatro ou cinco lojas. De inauguração em inauguração, já eram 50 no ano de 2012. Em 2014, no mandato de Dilma, inaugurou 24 em um único ano, atingindo a marca de 86.

Hang se tornou um bilionário durante os governos do "comunista" PT.

A página da empresa informa que uma única loja foi inaugurada em 2018. Em 2020, no entanto, com dois anos de baixo crescimento e compressão do consumo, teria chegado a 150. Pois é... Está aí um caso para estudo, não é mesmo? Até porque, segundo a revista Forbes, seu patrimônio encolheu em mais de R$ 5 bilhões entre 2020 e 2021. Merece uma tese acadêmica.

POR QUE O REACIONARISMO?
Como é que o empresário que se torna bilionário durante os governos do PT ganha a ribalta como um reacionário ensandecido, de sorte que usa a morte da própria mãe para fazer vídeos de alcance político?

Bom, meus caros, nos limites em que a lei permite, as pessoas têm o direito de ter as convicções as mais obtusas e atrasadas. Enquanto a política econômica conduzida pelo PT fazia de Hang um bilionário, um extremista de direita ia crescendo no seu íntimo. Até aí, tudo a lamentar, mas nada que seja do interesse da lei — não havendo agressão à... lei!

Mas isso não confere a esse senhor o direito de usar a projeção que ganhou para propagar tratamentos ineficazes contra uma doença grave, tornada uma pandemia, nem lhe assegura licença para fazer propaganda tanto do tratamento precoce como — e isto é mais grave, reitero — preventivo.

A legislação brasileira não permite o suicídio assistido ou o incentivo a tal prática.

Sim, Hang animou a sua galera nas redes sociais. Mas acreditem: complicou-se muito mais do que parece. E confirmou uma das graves suspeitas sobre a Prevent Senior.