PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Reinaldo Azevedo

Na Folha: Opositores de Lula ficam à espera de um bárbaro que não existe

Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à Presidência da República, que lidera as pesquisas - Amanda Perobelli/Reuters
Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à Presidência da República, que lidera as pesquisas Imagem: Amanda Perobelli/Reuters
Conteúdo exclusivo para assinantes
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

28/01/2022 07h35

A única polarização na disputa presidencial se dá entre Lula (PT) e todos os outros, excetuando-se Ciro Gomes (PDT), já digo por quê. E é do tipo aritmética, não ideológica: o petista ou tem mais votos do que a soma dos adversários ou empata com eles.Tanto os candidatos de direita como os de extrema-direita --Bolsonaro e Sergio Moro-- insistem, no entanto, em caracterizar o moderadíssimo ex-presidente como um radical de esquerda. E aí as respectivas campanhas dessa turma semelham parafuso espanado e começam a girar em falso, limitando-se a falar com os fiéis de sempre. Vão mudar a tempo para tentar exaltar as próprias virtudes em vez de lutar contra um adversário comum, construído por seus delírios? Não sei. Faço análises, não previsões.
(...)
Lembro do poema "À Espera dos Bárbaros", do poeta grego, nascido no Egito, Constantino Kafávis. A oposição de matriz reaça ou conservadora ao candidato do PT está como os romanos do texto. Sua existência era pautada pela expectativa de que aqueles chegariam. E, no entanto, não chegaram. E são estes os versos finais: "Sem bárbaros o que será de nós?/ Ah! eles eram uma solução."
(...)
Íntegra aqui