PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria


Militares querem Bolsonaro fora do conflito Trump-Irã, mas não acreditam

Ataque dos EUA mata general iraniano em Bagdá

AFP
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

03/01/2020 13h30Atualizada em 03/01/2020 17h19

O presidente Jair Bolsonaro está sendo aconselhado pelos chefes militares a ficar de fora do conflito entre o mandatário dos EUA, Donald Trump, e o governo do Irã.

"A orientação é para não comentar antes de avaliar a situação por meio do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) e do Itamaraty a situação. O melhor é não se pronunciar", disse ao blog um desses conselheiros.

Hoje Bolsonaro já se encontrou com o ministro-chefe da GSI, general Augusto Heleno. No caso do Itamaraty, não há grandes expectativas de surpresa. Diferentemente dos militares, o ministro Ernesto Araújo defende o alinhamento total com os EUA.

Os militares não acreditam que Bolsonaro deixará de se manifestar. Acham que ele acabará demonstrando solidariedade a Trump de alguma forma. Torcem apenas que fale o mínimo possível.

Para os generais, o Brasil nada tem a ganhar se metendo num conflito que resultou na morte do general Qasem Soleimani, o chefe da Força Revolucionária da Guarda Quds do Irã.

Eles avaliam que Donald Trump está agindo de olho na sua reeleição. O pleito nos EUA será neste ano, no dia 3 de novembro. É comum os presidentes norte-americanos incensarem disputas com "inimigos externos" às vésperas das eleições.

Soleimani era considerado um dos homens mais importantes do Irã e foi abatido durante o ataque dos EUA a aeroporto de Bagdá, no Iraque, na noite desta quinta-feira.

Manifestação muito enfática do presidente Bolsonaro pode se refletir nas relações comerciais com o Irã, um dos parceiros do Brasil no Oriente Médio.

No entanto, os generais sabem que o mandatário brasileiro tem como prioridade pessoal seu relacionamento com o presidente dos EUA.

Hoje mesmo, ao falar com a imprensa na entrada do Palácio da Alvorada, Bolsonaro se gabou de ter surtido efeito seu telefonema para Trump quando tratou da ameaça de aumento das tarifas de importação do aço brasileiro.

Vocês [a imprensa] caíram do cavalo quando falaram do aço. Desceram a lenha em mim. Eu falei com ele [Trump] e caíram do cavalo", disse.

Bolsonaro insistiu que os governos anteriores "trataram os EUA como inimigos" e que sua posição é diferente.

Os militares sabem disso. Por isso, não esperam que ele deixe de demonstrar alguma concordância com a atitude de Trump. A ideia será minimizar os danos que o presidente venha a provocar.

Irã promete vingança após morte de general

AFP

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL