Dom Eugênio Sales "viveu fiel à igreja até o último dia", diz arcebispo do Rio durante velório

Julio Reis

Do UOL, no Rio

  • Divulgação

    Dom Eugênio Sales saúda o papa Bento 16 em imagem de 2007

    Dom Eugênio Sales saúda o papa Bento 16 em imagem de 2007

O cardeal arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani Tempesta, celebrou no começo da tarde desta terça-feira (10) a primeira de uma série de missas que devem ser realizadas até o enterro de dom Eugênio de Araújo Sales, morto na noite de ontem.  O enterro será às 15h desta quarta-feira (11) na cripta da Catedral Metropolitana de São Sebastião, no centro do Rio.

Tempesta comentou o legado deixado por dom Eugênio Sales. "Foi à sua época o grande representante do Brasil no governo central da igreja na Santa Sé. Um homem que viveu intensamente sua vida humana e cristã, viveu fiel à igreja até o último dia e partiu serenamente. Deixa um legado que deve marcar não só o Rio, mas todo o Brasil e o mundo", disse.


As missas acontecerão a cada duas horas até as 22h de hoje, quando então um vigília será feita até as 6h de amanhã. A partir daí, novas missas serão realizadas até o horário do enterro. A expectativa é que milhares de fiéis possam se despedir de dom Eugênio até amanhã.

Presente na missa, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), disse à imprensa que dom Eugênio foi um líder espiritual importante para além do âmbito da igreja católica. "Um homem que defendeu os direitos individuais e a liberdade. É um dia de tristeza e luto, mas também um dia de prestar homenagem a esse grande homem", afirmou. Já o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), que também esteve na missa, deixou a catedral sem falar com a imprensa.

Fiéis fizeram fila para se despedir de Sales. Entre eles estavam Manuel Rodrigues e Maria Teresa, um casal de portugueses casados há 61 anos e ambos com 84 anos. "Presenciamos dom Eugênio em Roma na cerimônia de canonização de Santa Paula Frassinetti em 1984. Todos se deliciaram quando ele disse 'como é difícil ser ruim e como é fácil ser bom'", lembrou Rodrigues.

Dom Eugênio, que tinha 91 anos, era o mais antigo cardeal da Igreja Católica brasileira e, segundo a Arquidiocese do Rio, morreu na Residência Assunção, onde morava, na estrada Sumaré, na zona norte da cidade.

A notícia de sua morte repercutiu na Santa Sé: em nota, o papa Bento 16 lamentou a morte do cardeal brasileiro. "Foi um autêntico testemunho do Evangelho em meio a seu povo. Dou graças ao Senhor por ter dado à Igreja pastor tão generoso", afirmou a nota.

"Em 70 anos de sacerdócio e 58 de no episcopado, [dom Eugênio] sempre quis indicar o caminho da verdade na caridade e servir à comunidade, prestando particular atenção aos mais desfavorecidos, fiel a seu lema episcopal 'impendam et superimpendar (gastarei e gastar-me-ei por inteiro por vós)'", recorda a nota, em uma referência à Carta de São Paulo aos Coríntios.

Trajetória

Nascido em 8 novembro de 1920, Eugênio de Araújo Sales foi ordenado padre aos 23 anos e promovido por Paulo 6º, em 1968, a arcebispo de Salvador, na Bahia. Participou de várias sessões do Concílio Vaticano 2º (1962-1965), que modernizou a Igreja Católica.

Designado cardeal por Paulo 6º em 1969, dom Eugênio Sales foi por 30 anos arcebispo do Rio de Janeiro. Entre suas criações mais célebres estão a campanha da fraternidade e as comunidades eclesiais de base, além do apoio a refugiados políticos nos anos da ditadura brasileira.

Com sua morte, o colégio cardinalício fica com 208 membros, entre eles 121 eleitores no caso de conclave ou eleição do papa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos