PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Após protestos, Haddad cancela licitação dos transportes estimada em R$ 45 bi

Do UOL, em São Paulo

26/06/2013 12h50Atualizada em 26/06/2013 14h49

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), anunciou nesta quarta-feira (26), em entrevista ao "SPTV", que cancelou o processo de licitação para a contratação das empresas de ônibus que realizarão o serviço pelos próximos 15 anos e estimada em R$ 45 bilhões. A medida acontece após a série de protestos contra o aumento da tarifa do transporte público na capital paulista.

LEIA MAIS

Deputados arquivam PEC 37, proposta que tira poderes investigativos do MP; entenda
Pela primeira vez, STF manda prender deputado que foi condenado por corrupção
Câmara aprova 75% dos royalties do petróleo para educação e 25% para saúde
"As pessoas se reúnem não para ouvir um líder, mas para extravasar", diz jurista
País teve protesto em 438 municípios de todos os Estados, diz CNM
Governo desiste de constituinte, mas mantém ideia de plebiscito sobre reforma política

Haddad também anunciou uma série de medidas para o setor, como a promessa de instalar 220 quilômetros de corredores e faixas exclusivas de ônibus na cidade até o final deste ano, além da criação de um conselho municipal dos transportes com a participação da população, no qual deverá abrir planilhas e mostrar os custos do sistema. Entre as vias contempladas estão as marginais Tietê e Pinheiros e a avenida 23 de Maio, que vai ganhar a faixa no sentido centro/bairro.

O cancelamento da concorrência ocorre no momento em que a Câmara Municipal é pressionada para abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Transportes. Segundo o jornal "o Estado de São Paulo", a base aliada de Haddad tentava barrar em definitivo a criação da CPI.

Segundo o prefeito, a administração municipal não podia assinar contratos de 15 anos sem a participação popular, em função do atual momento.

"Vou instalar o conselho com a presença dos usuários, movimentos sociais, empresários, Ministério Público e governo, abrindo a planilha para que as pessoas tenham a consciência dos custos que estão sendo enfrentados, para que tudo fique em pratos limpos. Determinei que nenhum contrato seja assinado, muito menos os de longo prazo, apenas a prorrogação dos atuais, para que a sociedade tenha segurança de que vai ser um contrato bom para a cidade", disse Haddad.

Haddad ainda aproveitou o anúncio para criticar indiretamente o tratamento dado aos transportes pela gestão anterior, de Gilberto Kassab (PSD).

"Já houve época em que o transporte era bem avaliado. De cinco anos pra cá, produzimos essa situação em função da perda de velocidade. A falta de investimento em corredores e faixas exclusivas deixou os ônibus empanturrados de pessoas e demorando para chegar em casa. Com a faixa exclusiva, o ônibus ganha velocidade", declarou.

Cotidiano