Topo

Aço roubado da prefeitura do Rio daria para fabricar 240 carros populares

Giuliander Carpes

Do UOL, no Rio

10/10/2013 19h44

As seis vigas de aço corten - cada uma com 20 toneladas e 40 metros de comprimento - retiradas do Elevado da Perimetral e roubadas de um depósito da prefeitura do Rio de Janeiro também poderiam ser utilizadas na fabricação de produtos comuns do dia a dia.

O material que foi roubado no Rio pode ser amplamente utilizado na indústria naval. Com as 120 toneladas de aço corten das vigas, seria possível fabricar pelo menos 40 contêineres padrão de 20 pés, os mais usados em navios cargueiros.

O QUE DARIA PARA CONSTRUIR COM O AÇO FURTADO

- 240 carros populares
- 12 ônibus urbanos
- 7 caminhões de pequeno porte
- 24 aviões turbo hélice para até dez passageiros
- 1 ponte de 60 metros com duas mãos

Se fosse utilizado na fabricação de automóveis, seria possível fabricar 240 carros populares ou 12 ônibus com as vigas roubadas. No caso de usar o aço para construir caminhões, daria para construir pelo menos sete daqueles de pequeno porte típicos das empresas de mudança, com dois eixos.

Também é possível montar aviões. Neste caso, daria para fabricar uma frota de 24 turbo hélices do modelo Beechcraft King Air 350, que transporta até dez passageiros.

Mas o engenheiro metalúrgico João Thomaz Araújo explica que a vantagem do aço corten é mesmo sua utilização em pontes e viadutos com alta corrosão. “É um material muito caro e resistente à oxidação. O uso ideal é em elevados, porque há a garantia que eles ficarão de pé por até 400 anos. A corrosão é mínima”, explica o presidente do Senge-VR (Sindicato dos Engenheiros de Volta Redonda).

Segundo o especialista, para a fabricação de veículos e aviões, o ideal é se utilizar metais mais leves e com valor de mercado menor - o quilograma do aço corten custa R$ 12 e o valor do roubo do Rio pode chegar a R$ 1,44 milhão.

“O cálculo é só para motivo de comparação. Não seria inteligente utilizar o aço corten na fabricação de carros. Inviabilizaria a produção com um material caro e com características desnecessárias”, afirma o especialista.

Araújo estima que, apenas com o material roubado, já seria possível construir uma ponte de 60 metros de comprimento com duas faixas.

Ele frisa que o aço corten é um material ecologicamente correto. “O potencial de reaproveitamento do aço corten é muito interessante. Por isso a gente vinha tentando chamar a atenção da prefeitura para as vigas da Perimetral. Se as usassem na expansão do Elevado do Joá [que liga São Conrado, na zona sul, à Barra da Tijuca], se pouparia muito dinheiro.”

Com a demolição da Perimetral, a prefeitura poderia até construir duas torres Eiffel idênticas à existente em Paris. Bastaria reagrupar as 1.008 vigas da via que costeia a Baía de Guanabara. 

Mais Cotidiano