PUBLICIDADE
Topo

Caminhão não poderia usar logo da Prefeitura do Rio, diz secretário

Bombeiros trabalham no resgate de vítimas de ferragens após uma passarela desabar sobre a Linha Amarela - Fábio Teixeira/UOL
Bombeiros trabalham no resgate de vítimas de ferragens após uma passarela desabar sobre a Linha Amarela Imagem: Fábio Teixeira/UOL

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio

28/01/2014 14h08

O secretário de Conservação e Serviços Públicos do Rio de Janeiro, Marcus Belchior, afirmou nesta terça-feira (28) que o caminhão que provocou a queda de uma passarela na Linha Amarela, deixando quatro mortos, não prestava serviço para a Prefeitura do Rio de Janeiro. Dessa forma, a empresa não poderia usar o logotipo da administração municipal, conforme relatado por testemunhas.

Belchior explicou que a empresa Arco da Aliança, proprietária do veículo, tinha autorização "apenas para retirar entulho" em obras particulares, e que o suposto uso do logotipo não está no "escopo de permissão da prefeitura". "Ele não poderia usar o adesivo de forma alguma", disse o secretário.

A Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) ratificou a informação do secretário. "A Comlurb informa que a empresa Arco Aliança proprietária do caminhão placa LLN 2225 não presta serviços à companhia. A empresa é autorizada a fazer remoção de entulho particular", afirmou em nota.

A reportagem ainda não conseguiu contato com a empresa.

Cotidiano