Topo

Pela 1ª vez, nível do Cantareira cai para menos de 10% e atinge 9,8%

Sistema Cantareira abastece de água parte da região metropolitana de São Paulo - Luis Moura/Estadão Conteúdo - 5.mai.2014
Sistema Cantareira abastece de água parte da região metropolitana de São Paulo Imagem: Luis Moura/Estadão Conteúdo - 5.mai.2014

Fabiana Maranhão

Do UOL, em São Paulo

06/05/2014 09h07Atualizada em 06/05/2014 10h32

Pela primeira vez em sua história, o nível de armazenamento de água do Sistema Cantareira, principal fonte de abastecimento da região metropolitana da capital paulista, caiu para menos de 10%, atingindo 9,8% nesta terça-feira (6).

Segundo a a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), no mesmo dia do ano passado o nível do sistema era de 62,1% de sua capacidade.

Há mais de duas semanas o índice do Cantareira não para de cair. A última vez que o sistema registrou aumento no nível de armazenamento foi em 16 de abril, quando subiu para 12,3%, após registrar 27,1 milímetros de chuva em um dia, mais de um terço da média histórica do mês de abril.

Nos seis primeiros dias deste mês, o sistema acumulou apenas 0,1 milímetros de água. Apesar da situação crítica, domingo (4) o governador Geraldo Alckmin (PSDB) voltou a descartar o racionamento de água na região.

Multa

Para reduzir o consumo de água, o governo de São Paulo tem concedido desconto aos consumidores que economizam água e pretende, já a partir deste mês, a cobrar multa de quem desperdiçar.
 
 
Segundo a Agência Brasil, o governo estadual ainda não definiu a data de início da cobrança porque aguarda parecer da PGE (Procuradoria-Geral do Estado).  "É possível que já seja cobrada essa multa na conta de maio, mas estamos aguardando a PGE", disse o governador Geraldo Alckmin nesta segunda-feira (5).
 
Procurada pela reportagem do UOL, a PGE informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o órgão deve se manifestar nesta terça-feira.
 

Volume morto

Para compensar o baixo nível do sistema, daqui a nove dias a Sabesp pretende começar a retirar água do volume morto, que fica no fundo das represas, abaixo do nível de captação das comportas.

A previsão da companhia é extrair 200 bilhões de litros dos 400 bilhões de reserva. De acordo com a Sabesp, essa água será "suficiente" para abastecer a região até setembro.

Especialistas dizem que o uso do volume morto do Sistema Cantareira pode atrasar a recuperação dos reservatórios quando voltar a chover, por causa de uma espécie de "efeito esponja".

Pesquisadores ouvidos pelo UOL alertam que o tratamento inadequado do volume morto pode trazer riscos à saúde. Eles chamam a atenção também para os danos ambientais que o uso dessa água pode trazer para o meio ambiente.

Mais Cotidiano