Em operação inédita, SP começa a captar água do volume morto do Cantareira

Fabiana Maranhão

Do UOL, em São Paulo

Em uma operação inédita no Brasil, o governo de São Paulo começou a captar na manhã desta quinta-feira (15) o volume morto do Sistema Cantareira, principal fonte de abastecimento da região metropolitana de São Paulo. O nível do sistema está hoje em 8,2%.

  • 27084
  • true
  • http://noticias.uol.com.br/enquetes/2014/05/07/o-governo-alckmin-diz-que-nao-mas-voce-acha-que-vai-faltar-agua-em-sp.js

Em ano eleitoral, a medida de utilizar a água que fica no fundo das represas, abaixo do nível de captação das comportas, foi a saída encontrada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) para escapar da impopular decisão de racionamento de água.

O governo gastou R$ 80 milhões para construir canais e instalar bombas para a retirada da água nas represas Atibainha, em Nazaré Paulista, e Jaguari/Jacareí, em Joanópolis.

O governador participou de cerimônia na represa de Jaguari/Jacareí para marcar o início da captação do volume morto. Dos seis reservatórios que integram o sistema, esse é o que possui menor nível de armazenamento de água. Hoje, o índice é de apenas 1,7%.

A previsão é extrair 182 bilhões de litros de água dos 400 bilhões de reserva, elevando em 18,5% o nível do Cantareira.

Autoridades e órgãos divergem sobre até quando essa água vai durar. Inicialmente, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) informou que o volume morto seria suficiente para garantir água até setembro, mas mais recentemente passou a falar em novembro, quando deveria começar o período chuvoso.

A ANA (Agência Nacional de Águas) afirmou esta semana que a reserva técnica pode acabar antes de novembro, caso sejam mantidos os atuais níveis de chuva e de consumo de água.

Há quase um mês o índice do Cantareira não para de cair. A última vez que o sistema registrou aumento no nível de armazenamento foi em 16 de abril.

Apesar da situação crítica, Alckmin descartou reiteradas vezes ao longo dos últimos meses o racionamento de água.

Segundo estimativa de um estudo técnico feito pelo Consórcio Intermunicipal PCJ, das bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, se voltar a chover a média, o Sistema Cantareira levará cinco anos para atingir 70% de sua capacidade de armazenamento de água, nível considerado bom.

Reservatórios de água na Grande SP

Arte/UOL

Confira entre quais reservatórios se divide o abastecimento de água na Grande São Paulo

Raio-x dos sistemas

Qualidade do volume morto

A qualidade da água do volume morto coloca em lados opostos pesquisadores e o Executivo estadual. O governo garante que a água é a mesma da que vem sendo retirada dos reservatórios e usada pelos consumidores atualmente.

Especialistas entrevistados pelo UOL alertam para os riscos à saúde. Para Sílvia Regina Gobbo, professora de ecologia da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), o tratamento de água usado atualmente não consegue resolver os problemas dos metais pesados que podem estar acumulados no fundo dos reservatórios.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos