Topo

Campanha busca arrecadar R$ 5 mil para vítimas de estupro coletivo no Piauí

Aliny Gama

Do UOL, em Maceió

09/06/2015 21h43

Amigos das quatro garotas que foram vítimas de estupro coletivo na cidade de Castelo do Piauí, região norte do Estado, no dia 27 de maio, estão mobilizados para arrecadar doações para ajudar as adolescentes e as famílias delas. O grupo “Flores para Elas” criou uma conta no site Vakinha para facilitar as doações.

Segundo a polícia, as quatro adolescentes foram atacadas por um grupo formado por cinco pessoas quando estavam subindo um morro para tirar fotos. Os acusados do crime são Adão José de Sousa, 40, líder do grupo, e quatro menores de idade.

No domingo (7), a adolescente Danielly Rodrigues, 17, não resistiu aos ferimentos e morreu. Duas adolescentes ainda continuam internadas no HUT (Hospital de Urgência de Teresina) e apresentaram melhora após receberem tratamento médico. A quarta adolescente, que estava internada no hospital particular São Marcos, recebeu alta no sábado (6).

Segundo a coordenadora da campanha "Flores para Elas", Aline Raquel Alves, que é amiga das garotas, a meta é conseguir R$ 5.000 até o próximo dia 22.

“Estamos sempre em contato com as famílias, que são humildes e precisam de apoio psicológico, financeiro e moral. Os valores arrecadados em outras contas estão sendo repassados semanalmente para as famílias das meninas”, disse Alves.

Dados contabilizados até a noite desta segunda-feira (9) mostram que a arrecadação chegou a 73%, com o valor de R$ 3.665,00. O dinheiro arrecadado será repassado pelo site para a conta de uma prima de uma das vítimas.

As doações estão abertas a qualquer pessoa: basta entrar na página da campanha no site de doações coletivas Vakinha, fazer o cadastro e seguir a orientação do site para efetuar a doação.

Campanha usa internet para angariar apoios

Segundo os idealizadores, a "Flores para Elas" pretende não só ajudar financeiramente às vítimas e aos familiares, mas também prestar apoio moral e psicológico. A campanha depositou flores na calçada do HUT no último dia 2.

Para isso, as amigas das vítimas também criaram uma página no Facebook e uma conta do Instagram para que as pessoas possam acompanhar as ações. Várias mensagens de apoio às garotas foram gravadas por artistas e autoridades e foram colocadas na internet.

A cidade em que as adolescentes moravam está mobilizada para ajudar. Estão sendo feitos bingos com objetos doados pela população, como telefone celular, tablet, caixas de cerveja e até mesmo três bodes. As cartelas são vendidas por R$ 10,00 e o bingo ocorrerá às 16h do dia 20 de junho, na praça do Ginásio Poliesportivo de Castelo do Piauí.

Advogada paulistana ajudou amigas das vítimas a usar site de doações coletivas

Ao tomar conhecimento da situação das adolescentes, a advogada Flávia Penido, que mora em São Paulo, sugeriu que a campanha “Flores para Elas” abrisse uma conta no Vakinha para facilitar as doações. 

“Não estamos preocupados com dinheiro, mas sim com situação das meninas. Foi um crime bárbaro contra as mulheres e precisamos dar apoio”, disse Flávia.

Flávia foi a organizadora da campanha no Vakinha para ajudar a agente da Operação Lei Seca Luciana Silva Tamburini, no Rio, a pagar a indenização por danos morais ao juiz João Carlos de Souza Corrêa, que foi parado e multado em uma blitz.

Mais Cotidiano