PUBLICIDADE
Topo

Investigamos relação entre morte de policiais e chacina, diz secretário

Wellington Ramalhoso e Fabiana Maranhão

Do UOL, em São Paulo

14/08/2015 12h16Atualizada em 14/08/2015 17h41

O secretário de segurança pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, declarou na manhã desta sexta-feira (14) que a polícia investiga a possível relação entre os ataques que deixaram 18 mortos e seis feridos, ocorridos na noite de quinta-feira (13) na Grande São Paulo, e as mortes de um policial militar e um guarda civil na mesma região.

"Estamos analisando todas as hipóteses levantadas, inclusive as possíveis relações com dois latrocínios, um que ocorreu na sexta-feira passada, onde um policial foi assassinado em um posto de gasolina, e outro anteontem, em Barueri, tendo sido morto um guarda civil", afirmou.

Ainda de acordo com o secretário, a polícia também apura a possibilidade de os crimes terem sido motivados por disputa de tráfico de drogas. Outra possibilidade é a de que algumas dos homicídios terem sido praticados em reação aos primeiros ataques. "Nós colocamos uma força-tarefa para analisar todas as hipóteses. Não vamos descartar nenhuma. Chegando aos acusados, sejam ou não policiais,  vamos atuar rapidamente para prendê-los", garantiu.

Na sexta-feira (7), o PM Admilson Pereira de Oliveira, 42, foi morto a tiros em um posto de combustíveis na avenida dos Autonomistas, em Osasco. Ele abastecia seu carro quando foi abordado por dois homens que praticavam um assalto no local. Os suspeitos atiraram contra o policial depois de roubar R$ 10 mil do posto. 

Na última quarta-feira (12), um guarda civil foi assassinado durante uma tentativa de roubo a uma adega, da qual ele era dono, no Jardim Paulista, em Barueri.

Chacinas e suspeitas

A maioria das mortes (15) foi registrada em Osasco. Outros três assassinatos aconteceram em Barueri. Foram ao todo oito ataques. O primeiro e mais letal ocorreu perto das 21h em um bar na rua Antônio Benedito Ferreira, no bairro Jardim Munhoz Junior, em Osasco. Oito pessoas morreram baleadas e duas se feriram. Imagens de câmeras de TV instaladas no local são investigadas pela polícia.

Câmera flagra chacina em bar em Osasco

Moraes afirmou que há indícios de ligação entre essa chacina e o segundo ataque, também em Osasco. As duas ações ocorreram em locais próximos e em um curto espaço de tempo. Além disso, o carro usado pelos assassinos poderia ser o mesmo, segundo informações preliminares. "Tudo leva a crer que [os ataques] foram premeditados."

Para o secretário, ainda não é possível estabelecer uma relação entre esses dois primeiros casos e os demais. 

O secretário não confirmou a informação de testemunhas de que os criminosos perguntaram quem tinha antecedentes criminais antes de atirar. Testemunhas também disseram que os assassinos utilizavam coturno.

Para Moraes, essas informações não são indícios da participação de policiais. "É típico de quem quer fingir que é policial." Das 19 vítimas, seis foram identificadas, das quais cinco tinham antecedentes criminais.

Segundo o secretário, cápsulas de três diferentes calibres de armas foram encontradas próximo aos corpos das vítimas: 9 mm (de uso das Forças Armadas) e 38 e 380, de uso de guardas civis metropolitanos.

Cotidiano