Polícia Federal desmonta quadrilha que arremessava drogas de aviões no MS

Celso Bejarano

Colaboração para o UOL, em Campo Grande

  • Divulgação/Polícia Federal

    Drogas apreendidas pela Polícia Federal

    Drogas apreendidas pela Polícia Federal

Policiais federais desmontaram uma quadrilha de traficantes que arremessava drogas de aviões em fazendas do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Foram confiscados US$ 2,2 milhões (R$ 7,4 milhões) em dinheiro e R$ 5 milhões em imóveis, além de carros de luxo apreendidos.

De acordo com a Polícia Federal, tudo pertencia a uma organização chefiada por três irmãos que trazia cocaína da Bolívia e fazia a distribuição em São Paulo, São Bernardo do Campo, Guarujá e Suzano. A Operação Nevada, como foi chamada, foi deflagrada nesta quinta-feira (9) e também resultou na prisão de 17 pessoas. Em alguns dos imóveis vasculhados nesta quinta, foram encontrados fuzis e muita municção

Os mandados foram cumpridos em São Paulo, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Ao menos 170 policiais agiram na operação. Nevada é uma referência ao endereço da casa de um dos acusados de ser um dos líderes da organização, em Campo Grande (MS).

Dois suspeitos foram detidos em Campo Grande, onde moram, e um na capital paulista. Cleo Mazzotti, chefe da delegacia da Polícia Federal de Combate ao Crime Organizado, em Mato Grosso do Sul, afirmou que a droga saía da Bolívia. Durante o voo, era arremessada em regiões de fazendas, aos arredores de Porto Murtinho, cidade sul-mato-grossense, na fronteira com Paraguai.

Dali, em caminhões ou caminhonetes, a cocaína seguia para áreas rurais de Bonito e Bodoquena, cidades de Mato Grosso do Sul, onde eram estocadas em galpões. Dias depois, a carga era levada, por rodovias, para as cidades de São Paulo, de acordo com os policiais federais.

O dinheiro movimentado com o tráfico era lavado por meio de uma empresa que negociava carros, em Campo Grande. Com as somas, os traficantes compravam imóveis de elevado padrão e carros de luxo, 30 dos quais apreendidos nesta terça, durante a operação.

Ainda de acordo com a Polícia Federal, o grupo comprava o quilo da droga na Bolívia por US$ 2,5 mil (R$ 8,5 mil) e as negociava por US$ 8 mil (perto de R$ 27 mil), em território paulista.

Integrantes da quadrilha chefiada pelos três irmãos de Campo Grande tinham tarefas "bem definidas", segundo o delegado Mazzotti. "Um deles negociava a compra da droga, na Bolívia; outro atuava na venda da cocaína, em São Paulo."

O delegado informou também que até agora, a PF desarticulou a quadrilha que trazia a cocaína, mas não identificou o grupo comprador, missão que será cumprida pelos investigadores federais de São Paulo.

 

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos