Áudios revelam que GCM não interrompeu ação que matou garoto de 11 anos

Do UOL, em São Paulo

Gravações revelam que a central da GCM (Guarda Civil Metropolitana), que atua em São Paulo, em nenhum momento pediu a interrupção de uma perseguição que terminou com a morte de Waldik Gabriel Chagas, um menino de 11 anosno final de junho. 

Exibidos com exclusividade pelo "SBT Brasil" na noite desta quinta (21), os áudios mostram que os guardas civis envolvidos na operação inclusive chamaram reforço para ajudar na perseguição, prática que não faz parte das atribuições da corporação. 

Os oficiais da GCM só chamam a Polícia Militar depois de perceberem que Waldik tinha sido baleado. Em seguida, os guardas passaram a se comunicar apenas por seus telefones celulares particulares, procedimento incomum no dia a dia. 

Ao SBT, a GCM disse que apura eventuais irregularidades.

Perseguição e morte

Waldik foi baleado e morto no dia 25 de junho, na Cidade Tiradentes, bairro da zona leste de São Paulo. Ele estava no banco de trás de um carro furtado. Segundo o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, a abordagem foi equivocada.

O guarda responsável pelos disparos, Caio Muratori, foi autuado em flagrante por homicídio culposo (quando não há intenção de matar), pagou fiança e responde às acusações em liberdade. Em depoimento, Muratori disse que atirou quatro vezes contra o Chevette porque os ocupantes atiraram contra seu carro primeiro. No começo do mês, a promotora Soraia Bicudo Simões Munhoz disse que não havia na investigação indícios que sustentassem a versão de Muratori

No dia 2 de julho, uma portaria municipal passou a impedir a GCM de usar armas de fogo contra qualquer veículo em atitude suspeita. 

 

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos