Ato na Alesp contra repressão policial tem agressão e gritos de "comunista"

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

Terminou em confusão e agressões contra um adolescente de 16 anos o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa do Direito de Manifestação e da Liberdade de Expressão, nesta quarta-feira (23), na Assembleia Legislativa de São Paulo.

No evento, organizado pela bancada do PT na Alesp, representantes de entidades da sociedade civil e vítimas de violência policial deram depoimentos sobre a repressão da Polícia Militar de São Paulo em manifestações organizadas por movimentos sociais. Uma das pessoas a ter a palavra na audiência foi a estudante Debora Fabri, 20, que perdeu o olho esquerdo durante um protesto contra o impeachment da então presidente Dilma Rousseff, no centro de São Paulo, no último dia 31 de agosto. Ela foi atingida por uma bomba de efeito moral lançada por um PM.

Após o encerramento de uma primeira leva de depoimentos --o último havia sido o de Debora --, dois homens em trajes sociais começaram a gritar "Viva a PM!" e "comunistas" para os participantes da audiência. Assessores parlamentares devolveram as provocações com gritos de "fascistas".

Em seguida, uma mulher que estava na plateia foi até a mesa onde estavam parlamentares, representantes de entidades como a Ouvidoria da PM e também a estudante, e travou um bate-boca com o líder da bancada do PT, Zico Prado, que presidia o evento. Um menino de camiseta vermelha com um desenho de Dilma se aproximou e foi agarrado pela manifestante, com as duas mãos, pelo pescoço. Outros adolescentes e assessores intervieram e separaram o grupo. Depois disso, policiais que acompanhavam a cena do lado de fora do auditório se aproximaram e a tiraram dali.

Fora da confusão, os três manifestantes conversaram com os policiais e se retiraram. A mulher não quis falar com a reportagem. Um dos que gritaram em favor da PM, que se apresentou como advogado, justificou o porquê da atitude: "Eles [participantes da audiência pública]  desrespeitam a Polícia Militar; a polícia que trabalha tanto e ganha tão pouco para nos defender. Eles são  comunistas, socialistas, esquerdistas", classificou.

"Foi um abraço no manifestante", diz major da PM

O UOL perguntou a policiais que acompanharam a confusão o porquê de a manifestante ter sido liberada mesmo com a agressão. Em tom irônico, um cabo respondeu: "Teve agressão? Não vi". O major Rios, que chefiava o grupo ali –segundo outro policial --, também refutou que fosse necessária intervenção policial porque, segundo ele, não teria havido agressão. Ao ver as imagens feitas pela reportagem, constatou: "Não foi agressão: agressão é paulada, pedrada, o que se passou foi um abraço dela no manifestante", disse. "Eles [os organizadores] não pediram a PM aqui e fizeram um evento com mais gente do que cabia no auditório", argumentou. Havia cadeiras sobrando no auditório.

Questionado sobre ações da PM na Alesp em eventos com secundaristas –que também não chamaram a polícia ao local, mas acabaram reprimidos --, o major encerrou a entrevista e convidou a reportagem a ir até a assessoria da Alesp "para se identificar" –mesmo com apresentação do crachá do UOL. "Você está questionando a ação da PM?", indagou outro PM, que acompanhava a entrevista.

Para o deputado Alencar Braga (PT), um dos 26 nomes que integram a frente recém-lançada, lamentou a intervenção dos manifestantes pró-PM no evento. "É lamentável, eles vieram com o claro intuito de provocar. E é muito simbólico acontecer isso, com agressão, inclusive, em um evento que se posiciona contra a repressão", constatou.

O líder da bancada do PT, Zico Prado, explicou que os deputados da frente, que tem parlamentares de nove partidos, formarão uma comissão que acompanhará a ação da PM durante os protestos de rua. "Queremos abrir diálogo com movimentos e governo estadual para assegurar que o direito de manifestação não seja violado. E vamos levar as denúncias a órgãos internacionais se isso foi transgredido", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos