Diego Herculano/AFP

Violência no Rio

PM passará a avisar governo antes sobre operações próximas a escolas, diz Crivella

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio

  • Hanrrikson de Andrade/UOL

    Crivella se reuniu com representantes de órgãos e instituições que atuam na área de segurança pública no Rio

    Crivella se reuniu com representantes de órgãos e instituições que atuam na área de segurança pública no Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), afirmou nesta quarta-feira (5) que a Polícia Militar vai passar a avisar o governo sobre operações em áreas consideradas de risco e que estejam próximas a escolas da rede municipal. Com as informações enviadas previamente, a Secretaria Municipal de Educação poderá tomar medidas como evacuação das unidades ou até mesmo a suspensão das aulas.

Na primeira reunião do recém-criado gabinete de gestão, nesta tarde, Crivella discutiu propostas a fim de evitar casos como a morte de Maria Eduarda Alves da Conceição, 13, baleada quando fazia aula de educação física na última quinta-feira (30), em Irajá, na zona norte. Além da prefeitura e da PM, participaram do encontro as polícias Civil e Federal, a Guarda Municipal, as Forças Armadas, entre outros órgãos de segurança pública.

"Existe uma demanda por parte do povo. As pessoas ligam e pedem ação policial. Mas isso não pode ocorrer sem que a prefeitura seja avisada, e os nossos professores e escolas sejam evacuados. Não pode haver mais operações. E mais do que isso: quando os setores de inteligência descobrirem que há briga entre traficantes e quadrilhas nas áreas próximas a escolas, precisamos ser avisados também para que as aulas sejam suspensas", afirmou o prefeito.

O compromisso firmado entre o governo e a PM não quer dizer, contudo, que a prefeitura poderá desautorizar os batalhões a fazer ações de repressão ao crime organizado. "O gabinete de gestão vai funcionar como todos funcionam. Articulando todas as entidades que cuidam da segurança na área municipal", disse. "O que deliberamos hoje foi consenso de todos. Um gabinete institucional não tem uma organização hierárquica, política ou administrativa. Ali são debatidos os temas como um fórum, onde todos trocamos ideias."

Crivella revelou ainda que a blindagem dos muros e paredes das escolas, projeto anunciado logo após a morte de Maria Eduarda, será executada inicialmente em dez colégios da gestão municipal. A proposta consiste em reforçar a estrutura das unidades com uma argamassa especial, importada dos Estados Unidos, e afixada com espessura de 3 a 4 cm. Ainda não há, porém, prazo e custo definidos para implementação. Os primeiros contêineres com o material de blindagem chegarão ao Porto do Rio nos próximos dias, de acordo com o prefeito.

"Gostaria de blindar todas. Mas nesse primeiro momento vamos blindar dez", comentou ele, com tom de resignação. "Mais importante do que blindá-las, é usar a inteligência. Ou seja: não permitir que operações policiais ocorram quando as escolas estão em funcionamento", declarou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos