Presidente do PSC Jovem deixa o cargo após enviar foto de partes íntimas durante discussão política

Eduardo Carneiro

Colaboração para o UOL

  • Divulgação

O PSC (Partido Social Cristão) desligou Caíque Marcatt, 31 anos, do cargo de presidente nacional do PSC Jovem após vir à tona em redes sociais uma foto que o político tirou de suas partes íntimas e enviou a uma coordenadora do Movimento Direita São Paulo (DSP) na última semana.

Marcatt havia irritado o movimento ao opinar sobre uma manifestação liderada pelo grupo em maio deste ano contra a Lei de Migração, aprovada no Senado e à espera da sanção do presidente Michel Temer. O ato na Avenida Paulista terminou em conflito entre integrantes do DSP e imigrantes palestinos.

Em post no Facebook, Marcatt escreveu que o incidente colocou frente a frente "dois grupos extremistas que não fazem do diálogo a melhor forma de fazer democracia" e que o conflito provou que "literalmente os opostos se atraem".

O DSP reagiu com críticas ao ex-presidente do PSC Jovem. "Ele na sua infinita ignorância, formando a sua opinião pautada no que a imprensa tomada pela esquerda diz, nos rotula como extremistas e que não somos a favor de diálogo", postou o movimento no último dia 4, convocando seus seguidores a responderem a publicação no perfil pessoal do político.

Marcatt disse ao UOL que a partir deste momento tanto ele como pessoas próximas começaram a sofrer ataques nas redes sociais. "Sei lidar com isso, sou uma pessoa pública, mas começaram a direcionar ataques à minha família, com ameaças. Compartilharam meu perfil e de meus familiares, disseram que eu não respeito a direita, que sou esquerdista. Não sou nada disso".

E então, no que assegura ter sido um momento de extremo nervosismo ("estavam expondo até minha esposa"), o político enviou a foto de suas partes íntimas a uma coordenadora do DSP. "Tirei uma foto da minha bola direita e perguntei: veja se essa bola é de direita".

A mulher que recebeu a imagem preferiu não se identificar, mas disse ao UOL uma versão diferente do caso. "Tanto nós (do DSP) como outras pessoas começaram a escrever que ele estava errado no que estava escrevendo sobre o grupo. Aí no meu comentário ele escreveu 'te mandei uma mensagem inbox'. Lá dizia assim: 'veja se é de direita mesmo'. E eu: 'o que é de direita?' Daí ele mandou esse nude em que ele dizia ser a bola direita dele'"

Vazamento e guerra nas redes

Inconformada com a mensagem, a coordenadora do DSP tirou um print do "nude" que recebeu e o publicou nos comentários da postagem de Marcatt. A imagem acabou viralizando no Facebook e irritou o político.

"O que o Direita São Paulo e esta garota provocaram poderia me levar a consequências muito graves, como aconteceu com outras pessoas da sociedade que sofreram com vazamentos de nudes. Mas felizmente tenho a cabeça tranquila. Eles que procurassem a Justiça ao invés de me expor. Eu errei, mas eles também erraram", afirmou.

A coordenadora rebateu, dizendo que "infelizmente" só publicou a imagem num momento de nervosismo para mostrar o tipo de argumento baixo que o político estava usando na discussão. "Enviei também para a esposa dele porque alguém que estava escrevendo lá colocou o perfil dela. Mas ninguém ameaçou a esposa dele nem nada, foi somente uma tentativa de mostrar como ele estava errado. Eu não fiz uma postagem isolada sobre isso, nem nada".

A integrante disse que jamais tinha falado com Marcatt e refutou a comparação que o político fez com outras pessoas que tiveram a privacidade violada nas redes.

"Ele escreve como se tivesse sido vítima de algo, como se ele tivesse uma relação de confiança comigo, que é o caso das pessoas que sofrem com esses vazamentos. Não é como se nós tivéssemos tido qualquer relação de confiança. Ele é casado. Eu também sou, moro junto. Ele poderia muito bem, no ato das críticas, ter bloqueado todo mundo ao invés de tomar a atitude de tentar intimidar enviando nudes".

Afastamento e mais ataques

Fato é que o nude de Marcatt chegou ao conhecimento do PSC. Em nota na última segunda, o partido informou o desligamento do político da presidência nacional de sua ala jovem, reafirmou "seus ideais cristãos democráticos e de profundo respeito ao ser humano" e anunciou que o cargo "passará a ser ocupado pelo advogado Samuel Oliveira (DF), atual secretário nacional do PSC Jovem".

Marcatt disse entender a decisão do partido e inclusive entregou sua carta de desfiliação assim que foi comunicado do seu afastamento, acrescentando que gostaria de poupar a imagem do PSC em meio ao caso em que se envolveu.

"Foram 11 anos no PSC, sem parente político, sem nada. Cheguei ao cargo mais alto possível, que era a presidência nacional do PSC Jovem. Pra eles (Direita São Paulo) é uma vitória o que aconteceu. Conseguiram o que queriam", afirmou.

"Eu não repetiria o mesmo erro. Foi um ato impensado. Estou sofrendo as consequências disso. Um trabalho de 11 anos teve uma mácula agora. Peço desculpas à menina, agora é tocar a vida e bola pra frente (risos)", completou, em alusão ao órgão registrado no nude.

A coordenadora do DSP confirma que o movimento solicitou a imediata saída de Marcatt do cargo após o envio da foto, mas negou que se considere vitoriosa.

"Acho que a única coisa que existe aí é uma situação lamentável", afirmou ela, que diz que não para de sofrer ataques em seu perfil pessoal em virtude da repercussão do caso.

A coordenadora disse ainda duvidar que as desculpas de Marcatt sejam sinceras, mencionando o fato de o agora ex-presidente nacional do PSCJovem estar ironizando o fato nas redes sociais.

Em um post, por exemplo, o DSP comemora em sua página o desligamento de Marcatt do antigo cargo. "Que ele agora se contente em mostrar a piroquinha pra esposa", publicou o grupo. Marcatt, então, postou nos comentários uma foto segurando um cartaz escrito "O homem do saco". "Vou levar na esportiva", disse o político à reportagem. "Eles não levaram em consideração as condições climáticas do momento (da foto)".

Próximos passos

A coordenadora do DSP revelou que registrou nesta terça-feira um Boletim de Ocorrência contra o político e que só não o fez antes por estar em semana de provas. Ela garante ter reunido muitas "imagens vexatórias enviadas por Marcatt e por outras pessoas que foram motivadas por ele a fazer isso". "Não vou acionar em vara cível porque para mim é perda de tempo e não quero ganhar dinheiro com processo", completou.

Ela ainda justificou o motivo de não querer ter o nome divulgado. "Estão dizendo que quero aparecer em cima desta história. E não quero nada. Isso é vexatório para qualquer um".

Já Marcatt afirmou que contou com total apoio da família após a saída do PSC, que não está em busca de um novo partido no momento e que aproveitará o tempo para tocar outros negócios. "Não dependo de política para sobreviver. Faço política porque gosto".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos