Violência em São Paulo

Policial diz que dirigia Camaro do filho e nega racha; caso vai para a Corregedoria

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

  • Marcelo Gonçalves/Sigmapress/Folhapress

    Investigador da Polícia Civil se apresentou afirmando que era o motorista do Camaro envolvido em acidente da rodovia dos Imigrantes; após depoimento, ele não ficará preso

    Investigador da Polícia Civil se apresentou afirmando que era o motorista do Camaro envolvido em acidente da rodovia dos Imigrantes; após depoimento, ele não ficará preso

Um policial civil de São Paulo, que não teve o nome divulgado, se apresentou no começo da tarde desta quinta-feira (11) ao 3º DP (Distrito Policial) de São Bernardo (Grande SP), afirmando que dirigia o Chevrolet Camaro preto do filho na noite de terça-feira (9), na rodovia dos Imigrantes. Os investigadores apontam que o veículo disputava um racha, que terminou em um acidente com duas mulheres mortas e seis pessoas feridas.

O policial de 46 anos, que tem cargo de investigador e trabalha no 6º DP da capital, no bairro do Cambuci (região central), afirmou em depoimento que estava em velocidade normal e que nem sequer viu o acidente. O carro foi comprado pelo filho - maior de idade, mas que não teve o nome divulgado - e está registrado em nome da empresa onde o rapaz trabalha.

"Ele alegou que não estava disputando racha nenhum. Vamos terminar de colher o depoimento dele. No momento, ele está na condição de investigado e vai ser liberado", afirmou ao UOL o delegado Rui Diogo da Silva, que está à frente das investigações. Ele disse que o policial negou que conhecesse o administrador de empresas.

O acidente ocorreu no km 29 da rodovia dos Imigrantes durante um racha entre uma Mercedes-Benz CLS prata e um Chevrolet Camaro preto, segundo a Polícia Civil. O motorista da Mercedes, o administrador de empresas André Veloso Micheletti, 50, que atingiu o Ford EcoSport preto em que as vítimas estavam, foi detido ainda na noite do acidente e teve a prisão preventiva expedida na quarta-feira (10). Ele está no CDP (Centro de Detenção Provisória) de São Bernardo.

O delegado informou que, devido ao envolvimento de um policial no caso, as investigações passarão a ser comandadas pela Corregedoria da Polícia Civil a partir de amanhã (12). A princípio, os próximos passos são analisar as imagens do local do acidente e ouvir a pessoa que ligou para o 190 avisando a PM (Polícia Militar) sobre o acidente.

"Acordei com a pancada e com o carro rodando", diz sobrevivente

  •  

O caso

A principal hipótese investigada pela polícia é a de que, durante o racha, o empresário Micheletti atingiu um Ford EcoSport cinza que levava oito pessoas de uma família --sendo dois casais e quatro crianças-- que voltava da Praia Grande, no litoral sul de SP, onde passaram as férias escolares, para Suzano (Grande São Paulo), onde morava.

A feirante Juliana do Carmo Gamarra, 40, e a jovem Vitória Alves Furlaneto Gomes, 21, morreram. Wesley Junior Gomes Bispo, 23, foi internado e já teve alta médica. O homem que dirigia o EcoSport, diagnosticado com traumatismo craniano e suspeita de traumatismo na coluna, permanece internado no Hospital das Clínicas de São Bernardo. As crianças --duas de um ano, uma de três e outra de cinco-- também estão internadas.

Peter Leone/Futura Press/Estadão Conteúdo
Administrador de empresas André Veloso Micheletti, 50, indiciado por homicídio

O administrador, que estava com a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) cassada desde 2016, levava outras duas pessoas na Mercedes. Nenhum dos três ficou ferido. Na delegacia, ele afirmou que trafegava pela rodovia em velocidade permitida, quando o motorista do Ecosport, "repentinamente e sem sinalizar", entrou na faixa em que ele dirigia. Ele disse, também, que não teve tempo para frear ou desviar e que, na sequência, não fugiu, esperando o resgate e a PM (Polícia Militar).

Para o delegado, o administrador deve responder em juízo pelos crimes de homicídio qualificado consumado, homicídio qualificado tentado e direção sem habilitação. Caso seja condenado, a soma das penas pode chegar a 45 anos. A reportagem não conseguiu localizar a defesa do administrador.

A Polícia Civil informou que o motorista do EcoSport também estava com a CNH vencida desde 2016. No entanto, de acordo com a perícia feita no local, ficou constatado que a velocidade em que o administrador estava na Mercedes "era muitas vezes superior a velocidade do veículo Ford EcoSport, dada a extensão dos danos analisados". Uma outra perícia será feita para constatar exatamente qual era a velocidade dos veículos no momento da batida.

Imagens de câmeras de segurança foram pedidas à Ecovias, que administra a rodovia, mas a concessionária enviou as imagens de outro trecho para a Polícia Civil na noite de ontem. O delegado enviou um ofício requerendo as imagens do trecho que interessa à investigação, que devem chegar ao DP durante a tarde de hoje.

Peter Leone/Futura Press/Estadão Conteúdo
EcoSport que levava 8 pessoas ficou destruída

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos