PUBLICIDADE
Topo

Idoso morre após aparelho respiratório parar de funcionar por falta de energia no Rio

Residência de João Lopes Pina, 72, ficou sem energia elétrica após temporal no Rio - Arquivo Pessoal
Residência de João Lopes Pina, 72, ficou sem energia elétrica após temporal no Rio Imagem: Arquivo Pessoal

Fabiana Marchezi

Colaboração para o UOL

20/02/2018 17h06

Um idoso morreu na última sexta-feira (16) depois de ficar cerca de 30 horas sem um aparelho de respiração mecânica por falta de energia elétrica. O problema ocorreu devido ao temporal que afetou o Rio de Janeiro no Rio de Janeiro, na última semana. João Lopes Pina, 72, morava em Bonsucesso, na zona Norte da cidade.

Pina estava acamado em casa havia 20 dias e não podia se movimentar direito. Segundo familiares, ele tinha enfisema pulmonar crônico e precisava do nebulizador - que só funciona com energia elétrica - para viver. A luz na casa da família só voltou nesta terça-feira (20), uma semana depois do temporal. Ele morreu na manhã da última sexta-feira.

Os familiares do idoso acusam a distribuidora de energia Light e a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) de negligência. “Nós fizemos tudo, até ventilador de pilha nós compramos. Nós ligamos várias vezes para pedir ajuda tanto para a Light quanto para a Comlurb, uma jogava a responsabilidade para outra. E numa dessa, eu perdi meu tio”, disse a sobrinha do idoso, Carla Cristina Ferreira, ao UOL.

A dona de casa contou que o aposentado começou a passar mal já na madrugada da última quinta-feira (15), pouco tempo depois que a energia acabou em razão da queda de duas árvores sobre a fiação na rua do prédio onde a família mora.

Leia também

“Assim que ele começou a passar mal, nós começamos a buscar ajuda, mas nada funcionava direito, estava tudo um caos. Nossos telefones não funcionavam direito, os telefones de emergência também não. E a situação foi agravando. Até que ele não aguentou”, lamentou.

A família informou que, no desespero, chegou a parar vários carros da Light e da Comlurb que passavam pela rua, mas um jogava a responsabilidade para o outro. “A Light falava que a Comlurb precisava remover as árvores. A Comlurb falava que não havia necessidade de remover e que a luz podia ser religada. E nisso, ninguém fazia nada. Foi muito desespero”, desabafou.

Segundo o filho do idoso, João Vitor do Nascimento Lopes, depois de muita insistência, a Comlurb removeu as árvores, mas mesmo assim, a Light não religou a energia.

“Era um fio que precisava ser ligado. Meu pai morreu por causa de um fio. Nós paramos pelo menos três carros, explicamos a situação e nenhum deles se compadeceu. Hoje, quando vieram, não levou nem 20 minutos para religarem o fio e a energia voltar. Mas meu pai não volta mais. Ele morreu pedindo por ar”, disse à reportagem.

O corpo do aposentado foi sepultado no sábado (17), no Cemitério São João Batista, em Botafogo. A família informou que vai processar a Light por negligência e danos morais. O UOL procurou a Comlurb para comentar o caso, mas não teve retorno até o fechamento da reportagem.

OUTRO LADO

Ao UOL, a Light informou, em nota, que “às 19h11 do dia 16 de fevereiro, a cliente Carla Costa, sobrinha de João Lopes, fez o primeiro contato para informar que estava sem energia e que, naquele momento, seu tio já tinha falecido”. 

Segundo a concessionária, durante toda a ligação telefônica, ela deixa claro na conversa com o atendente do call center que a Comlurb estava fazendo naquele mesmo instante a poda da árvore que impedia a religação da energia. Na ligação, o atendente responde à cliente que a Light enviaria equipe às 23h”. 

A empresa informou ainda que após a remoção dos galhos pela Comlurb, a Light normalizou o circuito elétrico às 23h42 do mesmo dia. “O prédio do cliente constava em nosso sistema como restabelecido”.

A Light informou também que existe um serviço de prioridade para clientes que dependem de equipamento vital. "O cliente João Lopes não estava incluído neste cadastro. O pedido de inclusão deve ser feito pelo cliente ou pela família".

A concessionária recomenda que em situações como essa, ou que haja necessidade de garantia de continuidade no fornecimento e essencialidade para vida, o cliente procure um local onde tenha energia.

“É assim, por exemplo, nos hospitais, que, inclusive por lei, já são obrigados a manter geradores para suprir energia contínua. Nenhuma distribuidora de energia pode garantir total continuidade, segundo a regulamentação da própria Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)”, informou o comunicado.

Cotidiano