Topo

PF prende em aeroporto de SP integrante do PCC que fugiu do CE após morte de comparsas

Reprodução/PF
Investigação apura se "Cláudio Boy" participou dos assassinatos de Gegê do Mangue e Paca ou se fugiu para São Paulo com medo de ser preso pela polícia local Imagem: Reprodução/PF

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

2018-02-20T15:43:23

2018-02-20T17:27:51

20/02/2018 15h43Atualizada em 20/02/2018 17h27

Com ao menos sete mandados de prisão e procurado pela Interpol e pela Justiça de Minas Gerais, Claudiney Rodrigues de Souza, 36, o "Cláudio Boy", foi preso pela PF (Polícia Federal) na manhã desta segunda-feira (19), no aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo. Ele foi preso ao desembarcar de um voo vindo de Fortaleza.

O criminoso é suspeito de comandar a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) em Minas Gerais. Policiais federais e civis, de Minas Gerais e do Ceará, apuram se ele estaria envolvido na morte dos comparsas Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, 41, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, 38, ou se fugiu do Nordeste por receio de investigadores chegarem até ele.

Souza responde pelos crimes de homicídio e tráfico internacional de drogas e, segundo informações da Polícia Civil. Existem suspeitas de que, mesmo procurado, ele seguiria atuando em operações relacionadas ao tráfico internacional de drogas.

Cúpula do PCC vivia em mansão avaliada em R$ 2 mi no CE, diz polícia

"Em posse de certidão de nascimento fraudulenta, o preso obteve diversos documentos com a nova identidade, o que facilitou as viagens que fazia. Ele embarcou em voo oriundo de Fortaleza com destino a São Paulo, onde foi preso pela PF", informou a Polícia Federal, por meio de nota oficial.

Ele foi transferido para Minas Gerais, onde está recluso no Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem (MG). A prisão foi resultado de investigação da PF --como representação da Interpol no Brasil-- e de outras autoridades policiais.

De acordo com a PF, pela identidade falsa que utilizava, "Cláudio Boy" conseguia viajar pelo Brasil e pelo exterior, "bem como abrir empresa, estabelecer-se como empresário e adquirir bens na cidade de Fortaleza", relata a polícia.